quarta-feira, 26/12/2018
Governo

OP Jovem registra mais de 5,1 mil planos de ações

Com R$5 mil reais em mãos, alunos da rede tiveram que propor melhorias no ambiente escolar

O segundo semestre de 2018 contou com novidades que reforçaram o protagonismo jovem na rede estadual de ensino. Em julho, o lançamento do programa Orçamento Participativo Jovem (OP Jovem) permitiu que os alunos participassem ainda mais das decisões das escolas.

Através dos Grêmios Estudantis, as unidades de ensino paulistas receberam R$5 mil para investir em projetos que colaborassem com melhorias do ambiente escolar. Com a verba em mãos, os estudantes tiveram que criar planos de ações e decidir se ela seria investida em bens permanentes, de consumo ou manutenção.

“Pela primeira vez, colocamos o dinheiro na mão dos estudantes para eles decidirem o que é melhor para eles”, explica João Cury, secretário de Estado da Educação.

Projetos

Em todo território paulista, as escolas estaduais apresentaram diferentes tipos de projetos e diferentes formas de aplicar a verba pública dentro das unidades. Na capital, a E.E. Alfredo Paulino e a E.E. República da Bolívia tiveram propostas bastante inovadoras para rede.

Na primeira, a equipe gremista realizou uma votação entre os alunos para elencar quais seriam as sugestões mais interessantes. Entre tantas ideias, o grupo de estudantes resolveu investir os R$5 mil na reforma do palco, nos projetos de Horta e em jogos de xadrez.

“Antes o palco era todo amarelo e agora tem as cortinas e as luzes”, conta a aluna e presidente do Grêmio, Sarah Cristine Palombo. Para ela, o objetivo de melhorar a estrutura do palco era para deixá-lo com mais cara de teatro.

A professora responsável, Margareth Bittencourt, comenta que o OP Jovem surgiu como uma forma de fazer com que os alunos se sintam parte da unidade. “A gente precisa procurar alternativas (como esta) para fazer com que as crianças e os jovens gostem realmente da escola”, completa.

Já na República da Bolívia, os pequenos decidiram o destino da verba através de assembleias, que acontecem frequentemente na escola. Nesses encontros, o intuito é permitir que os estudantes debatam mudanças e encontrem soluções conjuntas para melhorar o ambiente escolar.

No começo do ano, em uma das assembleias surgiu a ideia de criar um espaço onde os alunos pudessem aproveitar os intervalos para descansar, ler livros, desenhar e até propor brincadeiras ao ar livre. O Espaço Zen nasceu através das demandas dos próprios estudantes.

“A gente já ia começar a fazer (o espaço) sem saber que ia vir uma verba”, explica a aluna Adrielly Garcia de Lima, de 10 anos. A jovem comenta que quando os colegas descobriram que receberiam o dinheiro do Governo todos se empenharam e ajudaram a montar orçamentos e a escolher materiais.

Além do Espaço Zen, eles também investiram o valor em infraestrutura para organizar uma horta no quintal da escola e competições esportivas entre as classes.

“Se desse trinta minutinhos que a gente faz de parar, ouvir e ver o que eles querem, a gente vai se surpreender o que a gente vai encontrar por aí”, enfatiza a docente da escola, Angélica Xavier Forgia.

Com o OP Jovem, a Secretaria da Educação registrou 5.115 planos de ações em todo Estado. Essa adesão do projeto totalizou mais de R$25,5 milhões de investimento.

Mais do que isso, os alunos da rede conheceram de perto a responsabilidade de lidar com uma verba pública e entender que sua participação é decisiva para construir uma educação de qualidade.