Pais e Alunos

FDE completa 30 anos de parceria com a Educação

Funcionários descrevem o orgulho de fazer parte da história da Fundação

sex, 30.06.2017

Maria Ribeiro, Estela Maria Patti, Francisco Fernandes da Rocha, João Batista Costa, Carlos Alberto Zuccheratto e Maria Conceição Conholato têm muito mais em comum do que o mesmo endereço de trabalho. Eles acreditam no futuro da educação do Brasil e, por isso, dão o sangue diariamente para melhorar a qualidade de ensino do país.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

“Tudo o que eu tenho, a FDE que me deu. A FDE é uma mãe para a gente”, afirma Maria Ribeiro, funcionária da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação).

Há 30 anos na instituição, Estela diz que a história da FDE se mistura com a sua própria história. “Fiz muitos amigos aqui, criei meus filhos, comprei meu apartamento, aprendi muito”, conta.

Assim como Estela, Francisco viu a FDE nascer e foi graças à entidade que ele conheceu sua mulher. “Somos casados até hoje. Temos dois filhos”, relata.

Segundo João, a fundação não é apenas um ganha-pão, mas uma família. “Todos nós, em conjunto, trabalhamos tendo como objetivo o aluno, o jovem, a criança”, destaca.

“Lembro do projeto ‘Interior na Praia’, que buscava os alunos das escolas estaduais do interior que nunca tinham visto o mar e levava para o litoral para ver o mar. Dava gosto de ver a alegria das crianças. Esse foi um dos projetos que me marcou”, recorda Carlos.

Maria Conceição resume o sucesso da entidade: “Acho que o êxito da fundação se deve aos valores, ao envolvimento de cada um. Cada um é responsável pela construção da FDE”, finaliza.

A FDE

São 30 anos de história, 30 anos de dedicação à Educação, 30 anos de sucesso. Criada em 23 de junho de 1987, a FDE é responsável por viabilizar a execução das políticas educacionais definidas pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, implantando e gerindo programas, projetos e ações destinadas a garantir o bom funcionamento, o crescimento e o aprimoramento da rede pública estadual de ensino.

Entre suas principais atribuições estão as de construir escolas, reformar, adequar e manter os prédios, salas de aula e outras instalações; oferecer materiais e equipamentos necessários à Educação; gerenciar os sistemas de avaliação de rendimento escolar; e viabilizar meios e estruturas para a capacitação de dirigentes, professores e outros agentes educacionais e administrativos, visando sempre a melhor qualidade do ensino e a aplicação apropriada das políticas educativas definidas pelo Estado.

Seguindo determinações da Secretaria da Educação, a Fundação também é responsável por desenvolver pesquisas voltadas ao aprimoramento do sistema pedagógico aplicado ao ensino e ferramentas e equipamentos educacionais disponíveis à rede pública, incluindo recursos didáticos e de informática, entre outros.

Por ser responsável pela aplicação das políticas públicas da Secretaria da Educação, a FDE desempenha papel essencial na gestão da Educação. Com isso, garante infraestrutura para a maior rede pública de ensino da América Latina, que conta com mais de 5.400 escolas distribuídas pelos 645 municípios paulistas, frequentadas diariamente por mais de 3,7 milhões de alunos.

História

No ano de 1987, o setor educacional no Estado de São Paulo exigia tratamento diferenciado daqueles aplicados até então. Embora o Estado conseguisse oferecer quantidade de vagas satisfatória em relação à demanda escolar, a qualidade do ensino requeria cuidados (tendo em vista que os índices de analfabetismo e evasão escolar eram preocupantes), apesar das medidas governamentais adotadas até então.

Com a finalidade de reverter o quadro, a Secretaria da Educação elaborou, então, um plano de ação que incluiu a criação da FDE (Fundação para o Desenvolvimento Escolar), instituição concebida para atuar tanto na área pedagógica, quanto na de recursos físicos escolares.

Criada a partir da FLE (Fundação para o Livro Escolar), instituída 25 anos antes, em 1962, a FDE absorveu parte das atribuições, funcionários e bens da Cenafor (Fundação Centro Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal para a Formação Profissional), que, mantida pelo Governo Federal, encontrava-se em processo de extinção, assim como parte das funções e estrutura da Conesp (Companhia de Construções Escolares do Estado de São Paulo).

Dessa forma, além de realizar ações voltadas para a produção, compra e distribuição de livros didáticos e para o desenvolvimento da leitura na escola – antigas atribuições da FLE -, a FDE ficou também com as tarefas de treinar e aperfeiçoar os docentes – como fazia o Cenafor – e contribuir para a melhoria dos recursos físicos, função antes a cargo da Conesp.

Principais programas

Acessa Escola
Desenvolvido pela Secretaria de Estado da Educação em parceria com a Fundação para o Desenvolvimento da Educação, disponibiliza, na maioria das escolas da rede estadual, uma sala de informática conectada à internet e aos programas oferecidos pela Educação.

Bolsa Universidade
Tem como compromisso contribuir para a continuidade dos estudos de alunos egressos do Ensino Médio, agregando valores relacionados à responsabilidade social e objetivando a construção de uma sociedade mais democrática e solidária.

Creche Escola
Esse programa está sendo implementado por intermédio das Secretarias da Educação e de Desenvolvimento Social, para a construção de novas unidades de creches e escolas de educação infantil. Cabe à FDE aprovar a viabilidade dos terrenos disponibilizados pelos municípios, oferecer o projeto executivo para construção dos prédios, definir exigências e padrões de infraestrutura para o funcionamento adequado e acompanhar a execução das obras, elaborando relatórios de vistorias mensais visando ao cumprimento do cronograma físico-financeiro.

Escola da Família
Quase 2.300 escolas da rede estadual e 195 de redes municipais, em 604 municípios do Estado de São Paulo, abrem seus espaços à comunidade escolar e não escolar aos finais de semana, por intermédio do Programa Escola da Família, com a presença de quase 14 mil educadores universitários e o apoio de um corpo de voluntários que chega a 12 mil pessoas.

Ler e Escrever
O projeto possibilita que alunos graduandos dos cursos de Pedagogia e Letras, bem como pós-graduandos, possam desenvolver uma pesquisa didática em salas de 2° ano e de Recuperação Intensiva do Ensino Fundamental na rede de ensino. Dessa forma, eles têm direito à bolsa de estudos custeada pela universidade em que cursam, além de receber uma ajuda de custo.