terça-feira, 13/03/2018
Divulgação
Boas Práticas

Grêmio Estudantil estimula o protagonismo e a autonomia de alunos dos Anos Iniciais

Escola Professor Dândolo Frediani também desenvolve atividades que incentivam a participação da comunidade escolar

Criado em 2017, o Grêmio Estudantil da escola Professor Dândolo Frediani, situada na zona sul da capital, ganhou força em pouco tempo devido ao empenho e a dedicação dos alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental.  E não são apenas os estudantes os protagonistas dessa história, pais e professores têm grande participação nas atividades realizadas na unidade escolar.

Para marcar o início do ano letivo, os alunos foram surpreendidos com a escola revitalizada e com os muros transformados em obras de arte pelas mãos dos professores. E o que chamou a atenção é que frases feitas pelos próprios jovens durante a atividade “Cápsula do Tempo”, na qual cada um deveria escrever uma mensagem positiva para o próximo ano, também foram eternizadas na parede.

“Selecionamos algumas frases que eles escreveram neste projeto e os professores de Arte registraram nas paredes da escola. Foi uma surpresa e eles amaram. Realizei reunião com os pais e eles também gostaram e viram que a escola está linda”, conta vice-diretora da escola Sandra Mariano Laux.

E o objetivo dos docentes foi alcançado. Os alunos aprovaram a iniciativa e se sentiram acolhidos. “Eu adorei, porque gosto de coisas coloridas e felizes. A escola ficou mais feliz e harmoniosa”, disse aluna do 5º ano Alejandra Karoline Almendras.

A estudante do 5º ano Mikaelle Lima também gostou da surpresa. “Fiquei muito feliz, porque quando você vê alguma coisa bonita, você se sente bem no local”.

E as atividades na unidade de ensino não param por aí. Essa é uma das diversas ações realizadas dentro do projeto “Escola Linda”, que tem o objetivo de zelar pela escola e colocar em prática os valores de cidadania e proteção ao patrimônio escolar.

Durante o intervalo escolar, os alunos gremistas são identificados com coletes e instruem os outros alunos sobre a importância de manter a unidade de ensino limpa, por exemplo.

“Os alunos que utilizavam os coletes foram inicialmente orientados a monitorar o recreio, juntamente os agentes escolares. Eles orientavam os colegas a não jogarem lixo no chão, a não correrem no pátio, e alguns dias da semana ficavam encarregados de colocar música. As músicas eram indicadas pelos próprios alunos”, explica Sandra Mariano.

Projetos como esse promovem a autonomia e o protagonismo dos estudantes. “Eles voltavam para sala de aula falando o que tinham feito, dizendo que haviam ajudado no recreio e se sentiam importantes”, finaliza a professora Reinilda Souza Marques dos Santos.