Boas Práticas

Projeto implantado por professor sensibiliza estudantes no exercício de produção textual

São 13 anos de realização das atividades do Projeto "Penso, Logo Escrevo"

qui, 20.04.2017

Propor assuntos de interesse juvenil é a chave para despertar a atenção e interesse dos estudantes. É assim que avaliou o professor de Língua Portuguesa, Wagner Siqueira, ao criar o projeto “Penso, Logo Escrevo”, em 2004.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Com os alunos do Ensino Médio da E.E. Jardim Iguatemi, na zona leste da capital, o educador realiza, semanalmente, atividades de redação que auxiliam no desenvolvimento das habilidades de escrita e leitura, além de encorajar os estudantes a exporem suas opiniões, uma vez que os alunos são convidados a compartilharem com a turma os textos produzidos. “Esta é uma ação concreta para fazer com que o aluno se sinta capaz de produzir um texto sem ter medo, vacilação, sem se sentir acuado de produzir uma redação”, explicou Siqueira.

É característica do projeto que os alunos proponham os temas das redações a serem desenvolvidas por grupos e recebam uma folha com as propostas temáticas. De acordo com o educador, essa folha apresenta o tema proposto por cada sala, as datas em que apresentarão a produção textual, orientações diversas quanto a elaboração dos textos e a data da avaliação final.

“Com esse material em mãos, o aluno pode observar a metodologia do trabalho a ser realizado e consegue se planejar para a realização das atividades. Dessa forma, vai se adaptando ao processo de elaboração dos textos e incorporando uma prática de como estudar com mais eficiência e organização”, disse o educador.

“Apesar de ser um projeto de produção textual, esse projeto não começa nas redações. A gente recebe toda uma teoria de como fazer uma boa redação. Então, o professor passa uma matéria sobre coesão textual e pontuação e acentuação então a gente tem todo esse conteúdo pra começar a redação”, relatou a aluna Giovana Leite Lessa.

Satisfeita com os resultados do projeto, a diretora da unidade Suzy Rocha Ribeiro Silva ressalta que a atividade mais ainda os estudantes uns dos outros. “O aluno produz, o professor avalia, o que não está legal, ele revê, esse aluno reescreve o texto, o professor reavalia, faz isso de uma forma coletiva, onde os alunos aprendem com um provável erro. E as crianças se envolvem umas com as outras na construção desse texto”, disse.

Além da sala de aula

Em 2014, Wagner lançou o livro “O desafio do Projeto Penso Logo Escrevo”, afim de oferecer aos colegas o registro de sua abordagem pedagógica  bem-sucedida. Hoje, a obra serve de referência bibliográfica para estudantes universitários do curso de letras e já foi alvo de pesquisa de Mestrado defendida na PUC-SP. Com o projeto, em 2009, venceu o Prêmio Professores do Brasil, conferido pelo Ministério da Educação.