segunda-feira, 15/07/2019
Escola + Bonita

ABC terá 150 escolas reformadas pelo programa Escola +Bonita

Investimento é da ordem de R$ 123,3 milhões

O programa Escola +Bonita irá atingir escolas de todo o estado. Na região do ABC paulista serão reformadas 150 escolas da rede estadual, com investimento de R$ 123,3 milhões em obras de melhoria de infraestrutura.

Todas as obras deverão ser licitadas e, no pacote estão reformas da cozinha, banheiros, rede elétrica e hidráulica, além de inclusão de itens que garantam acessibilidade e manutenção nos dispositivos de segurança das escolas.

A escolha das unidades foi feita com base em critérios técnicos de avaliação e privilegiou aquelas que possuem maior necessidade de investimento na infraestrutura, como explica o Secretário da Educação Rossieli Soares: “Nossa rede é enorme e muitas escolas são centenárias, por isso o investimento é importante para garantir o bom funcionamento das unidades. Aproximadamente 80% dos prédios escolares têm mais de 30 anos”.

Outro ponto social do programa é trabalhar a reinserção na sociedade dos detentos. Inclusive, muitos possuem capacitação em pintura, hidráulica e elétrica. O trabalho rende um valor mensal numa conta poupança e a remissão de pena. Cada três dias trabalhado, um dia a menos de pena. “O projeto oferece uma oportunidade para que esses reeducandos, ao término da pena, saiam em liberdade capacitados para exercer uma profissão”, completa o secretário de Administração Penitenciária, Coronel Nivaldo Cesar Restivo.  

Sobre o Escola +Bonita

Em todo o Estado será investido R$ 1,1 bilhão em reformas de 1.384 escolas. O investimento ocorrerá de forma escalonada nos próximos três anos. Para este ano estão previstas obras em 630 escolas que custarão R$ 439 milhões. Em 2020, o Governo do Estado de São Paulo vai destinar R$ 549 milhões para melhorias de infraestrutura de 660 unidades. Por fim, em 2021, haverá o investimento de R$ 109 milhões em 94 escolas.

Outras obras realizadas

Desde o início da gestão, já foram realizadas 2.266 intervenções via Associação de Pais e Mestres (APMs), por meio de repasses feitos pela Secretaria da Educação, que totalizam R$ 39 milhões.