quinta-feira, 09/12/2021
Notícia

Abertura do primeiro Seminário de Educação Antirracista conta com participação de Secretário da Educação

O evento, que aconteceu no CMSP, foi transmitido para alunos e professores da rede estadual de ensino

Na última terça-feira (7), o Secretário Estadual da Educação, Rossieli Soares, participou da abertura do 1º Seminário de Educação Antirracista, realizado pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP).

Voltado a todos os profissionais da educação e estudantes dos Anos Finais e Esnsino Médio, o evento contou com a presença de educadores e representantes dos movimentos sociais negros e indígenas para debaterem os rumos da educação antirracista.

“Esse é um momento histórico. É o primeiro seminário de muitos que virão, porque o racismo não vai acabar porque estamos falando dele. O racismo vai continuar e vamos continuar falando sobre o racismo, para construir uma sociedade mais justa e igualitária”, declara Mario Augusto, gestor do Conviva e da Trilha Antirracista da Seduc-SP.

“É um tema que temos falado pouco, o número de alunos negros e negras é a maioria. Para ter uma sociedade mais justa e equilibrada, o caminho é pela educação. A ideia é que as escolas debatam cada vez mais esta pauta e que ela gere mais oportunidade para todos. A Secretaria adquiriu livros sobre o tema, a Efape está à frente nas formações. Ninguém nasce racista, são fatores culturais e históricos que precisamos romper por meio da educação. Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista”, enfatiza Rossieli Soares.

Na abertura, a diretora do DEPEC (Departamento de Programas de Formação e Educação Continuada da Efape), Luanda Julião, discutiu a questão da representatividade: “Quando falamos na educação antirracista, talvez o ponto mais importante é que hoje vemos pessoas negras nos cargos de liderança, como diretores, coordenadores, professores que se tornam uma referência para os alunos negros, influenciando na sua autoestima. Esse seminário é o começo de uma história que vai trazer o direito para alunas e alunos negros sonharem em ser médicos, advogados, engenheiros e assumirem cargos de liderança.”

No período da tarde, foram realizadas duas mesas com os temas Educação Antirracista: Temática e pensamento indígena no currículo e Acolhimento, permanência e convivência.