sábado, 29/02/2020
Boas Práticas

Acolhimento foi destaque na rede em fevereiro

Confira alguns exemplos da prática em escolas de São Paulo

O ano letivo começou no último dia 03 de fevereiro com várias novidades. Além do programa Inova Educação, que foi colocado em prática em todas as escolas da rede estadual de São Paulo, uma outra ação pedagógica chamou a atenção: o acolhimento.

O acolhimento é uma ação pedagógica, com o objetivo de dar as boas-vindas aos educandos e às equipes docente e gestora, integrando os estudantes entre si, com a escola, funcionários, e fortalecendo a conexão entre eles.

O ato de acolher tem o propósito de despertar nos estudantes o sentimento de pertencimento, e, principalmente, permitir seu desenvolvimento integral. “Não tem hora nem local específico para acontecer. É uma postura que envolve duas vontades: a de ser acolhido, que vem da infância, dos braços de mãe, e a de acolher, de ouvir o outro, de mostrar o quanto ele é querido e acolhido”, destaca Cristina Mabelini, coordenadora da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação “Paulo Renato Costa Souza” (EFAPE).

LEIA: Acolhimento em escola integral de Araçatuba tem participação de artista plástico

Para Cibele Sbrissa, vice-diretora da Escola Estadual Capitão Vitório Togni, em Cabreúva, no interior de São Paulo, o acolhimento estimula capacidades socioemocionais como o olhar para o outro. “Em Cabreúva, trabalhamos sempre a empatia. Nossa dinâmica funcionava em grupo, com os alunos se apresentando e falando características positivas de quem estava do lado. Isso gerava uma empatia imediata e criava um senso se pertencimento que se estendia para o ano”, ressalta.

LEIA: Acolhimento une estudantes em escola de Araçatuba

Outra proposta da ação é fazer com que os alunos reflitam sobre o seu Projeto de Vida, um dos três novos componentes da matriz curricular, que também traz Tecnologia e Inovação e Eletivas. “Gostamos de falar no acolhimento que o Projeto de Vida não precisa ser necessariamente algo profissional. Pode ser qualquer tipo de sonho. E também gosto de dizer que sonhar é muito bom, mas realizá-lo é melhor ainda”, explica Giovana Nicolluci, estudante do 3º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Reverendo Augusto Paes de Ávila, em Praia Grande.

LEIA: Escola da Capital promove acolhimento com o grêmio estudantil

Lucas Henrique Paiva da Silva, aluno da Escola Estadual Reverendo Augusto Paes D’Ávila, da Diretoria de Ensino São Vicente, já esteve nas duas posições, como acolhido e acolhedor, e compartilha as experiências. “Quando eu entrei na escola e passei por esse processo, fiquei realmente apaixonado. Não só pela ação, mas também pela escola. Realmente, o acolhimento me proveu muita coisa. Aprendi a me conhecer um pouco melhor. E, de fato, me senti acolhido e entrei muito mais tranquilo no primeiro dia de aula”, relata.