terça-feira, 06/06/2017
Boas Práticas

Alunos de Sumaré confeccionam foguetes com garrafas PET

Objetivo da atividade é fomentar o interesse dos jovens pela Astronáutica, Física e Astronomia

Maio é o mês mais esperado pelos alunos da E.E. Savino Campigli, de Sumaré. É nesta época do ano em que os alunos confeccionam foguetes com garrafas PET, pastas de plástico e fita isolante e ainda lançam os artefatos. “Todo ano, os alunos vêm me perguntar quando vamos fazer os foguetes. Eles ficam ansiosos”, conta o professor de Ciências e Matemática Paulo Sérgio Alves Lima.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

A fabricação dos foguetes é requisito para participar da Mostra Brasileira de Foguetes, realizada pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB), com o objetivo de fomentar o interesse dos jovens pela Astronáutica, Física e Astronomia.

“Tem dado muito certo, porque os alunos aprendem de forma prática, colocando a ‘mão na massa’. A gente mostra para eles que a Astronomia está presente na nossa vida. O GPS, por exemplo, depende de satélite”, comenta o professor.

Além de fabricar os foguetes, os estudantes lançam os artefatos na escola. Os alunos do Ensino Fundamental utilizam como combustível água e ar comprimidos por uma bomba manual de encher pneus de bicicletas.

“Fixamos o foguete no lançador, colocamos um litro de água dentro da garrafa, pegamos uma bomba de encher pneus e começamos a calibrar. Quando chega em 40 libras, apertamos o gatilho. Com a pressão, o foguete é lançado e atinge cerca de 111 metros de distância”, relata o professor.

Já os alunos do Ensino Médio utilizam como combustível uma mistura de vinagre com concentração de 4% de ácido acético e bicarbonato de sódio. “O bicarbonato reage com o vinagre e produz gás. Esse gás faz pressão e impulsiona o foguete, que ‘voa’ aproximadamente 117 metros”, explica.

Segundo Paulo, a atividade é enriquecedora tanto para os professores quanto para os alunos. “Eles aprendem com mais facilidade e nós ficamos satisfeitos ao vermos que eles estão aprendendo para valer”, afirma.