terça-feira, 16/07/2013
Boas Práticas

Em escola no Capão Redondo, alunos duelam argumentos em projeto de debates

Livros de Direito, pesquisas e reportagens são usadas para embasar argumentações

Desenvolver o protagonismo juvenil é a meta do Projeto de Debates. A iniciativa é desenvolvida pelo professor de geografia Francisco Oliveira Sá, que leciona na E.E. Jornalista David Nasser, no bairro do Capão Redondo, zona sul de São Paulo.

A ideia de desafiar os alunos a intensificar a busca pelo conhecimento, ultrapassando os muros da escolas, surgiu durante uma conversa informal com outros professores da escola. “O nosso objetivo é fazer com que o aluno participe do processo de construção do conhecimento com autonomia intelectual. Isso dará a ele convicção de que é capaz, de que consegue trabalhar em grupo e desenvolver novas habilidades”, revela Francisco.

Os temas dos debates, propostos aos alunos do Ensino Médio, são atuais e polêmicos para gerar grandes discussões. As salas se dividem em cargos. Cerca de 20 alunos são responsáveis por elaborar a pesquisa, três são eleitos oradores e o restante faz o relatório final, com o resumo do que foi produzido para ser entregue aos professores.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Além de melhorar os resultados nas avaliações, o incentivo do trabalho em grupo muda a forma de relacionamento dentro da comunidade escolar. “Os jovens buscam o conhecimento. Os alunos amadureceram, há mais respeito entre eles”, afirma a diretora Marta Dias Fernandes.

Duelo de argumentação

Duas turmas do Ensino Médio foram desafiadas a debater sobre a redução da maioridade penal. No duelo, os oradores usaram diversos recursos na defesa para convencer os espectadores.

Trechos da Constituição do Brasil, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e o Código Civil foram citados para embasar os argumentos, em um verdadeiro duelo de informações. No telão, reportagens e gráficos desenvolvidos pelos alunos eram exibidos.

“Pesquisei bastante com meus amigos de classe. Participar do projeto foi muito bom, pois aprendi que tenho de estudar para ter um ponto de vista sobre o assunto”, diz a oradora Micaelli Lima.