quarta-feira, 21/05/2014
Sociedade

Alunos vão para cozinha e aprendem a montar cardápio saudável

Iniciativa é uma das ações da Semana da Educação Alimentar, que acontece até sexta-feira (23)

Quais alimentos são saudáveis? O que é um prato rico em nutrientes? Refrigerantes e salgadinhos fazem mal à saúde? Para responder essas e outras dúvidas, até sexta-feira (23), 3.063 escolas da rede estadual de ensino convidam os alunos a participar da Semana da Educação Alimentar. Na programação estão oficinas culinárias, mapeamento nutricional e um “bingo de alimentos”. A proposta é orientar os alunos do Ensino Fundamental e Médio sobre as vantagens de uma vida balanceada.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Para auxiliar as unidades de ensino, nutricionistas da Educação prepararam atividades de acordo com a faixa etária dos alunos. A equipe levou em conta os conhecimentos de crianças e jovens sobre o assunto e como as dicas podem ser colocadas em prática com mais facilidade.

Dessa forma, as turmas do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental terão a companhia de fantoches e histórias em quadrinhos sobre a merenda escolar. Já para os alunos do 6º ao 9º ano, o foco é a pirâmide alimentar. Quem quiser também terá a chance de degustar algumas verduras e legumes que nunca viram ou comeram.

Para o Ensino Médio, a ideia é discutir questões como alimentação e estética, a influência das campanhas publicitárias e fazer um raio-x sobre a quantidade de açúcar, gordura e sal de algumas guloseimas. Os estudantes ainda participarão de um concurso para revelar o chef da escola. 

Alimentação Saudável

No final do mês de abril, a Educação divulgou os primeiros resultados do programa Alimentação Saudável, parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), e que traçou o perfil nutricional de 12 mil estudantes, de 6 a 18 anos de idade, da rede estadual de ensino. De acordo a amostragem, 71% desses alunos estão no peso ideal. Por outro lado, o índice de sobrepeso, que no Brasil chega a 30% e preocupa especialistas, é de 19% em São Paulo. Saiba mais.