quarta-feira, 06/01/2016
Pais e Alunos

Alunos vivenciam a realidade de pessoas com deficiência visual com olhos vendados

O projeto mostrou a importância de se colocar no lugar do outro

Com atividades lúdicas, alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da E.E. Jardim Campo Limpo Ó, localizada no bairro Jardim Olinda, tiveram a oportunidade de vivenciar a realidade de pessoas com deficiência visual. O sistema de leitura para pessoas com deficiência visual, conhecido como Braille, foi a ferramenta utilizada para mostrar e estimular a importância de se colocar no lugar do outro.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

“Eu trouxe um livro que conta a história de João e Maria em Braille. O material é todo de textura e os alunos se encantaram com o livro, e assim surgiu a ideia de montar o projeto”, explica a professora e criadora do projeto Sônia Dantas.

Durante um semestre, atividades lúdicas foram realizadas com o objetivo de estimular  os cinco sentidos – visão, audição, tato, olfato e paladar – imprescindíveis para a compreensão do ambiente e circunstâncias. Na ausência de um sentido, a pessoa busca outras formas de interação. No caso das pessoas com deficiência visual, a falta da visão faz com que outros sentidos sejam estimulados.

Com o objetivo de mostrar a realidade de uma criança com deficiência visual, a professora vendou os alunos. “O objetivo do projeto é colocar os alunos no lugar de uma criança com deficiência visual. Eles ficaram com os olhos vendados, sentindo, vivenciando o dia a dia, em todos os momentos das atividades”, conta.

A participação dos alunos impressionou a professora, que comemora o resultado do projeto. “O retorno foi impressionante. Eu pude observar como eles chegaram e como saíram depois das atividades. É um privilégio do professor, só nós vivenciamos esse momento”.

“O trabalho que a professora Sonia Dantas realizou é um orgulho. Os professores que trabalharam aqui estão se espelhando em fazer novos projetos, por causa da atividade realizada pela professora”, conta Stela Chammas, diretora da escola.