segunda-feira, 19/12/2005
Últimas Notícias

Ampliação da carga horária para o ensino noturno é aprovada pelas escolas estaduais

A partir do início de 2006, todas as 3.630 escolas estaduais que oferecem ensino noturno terão a carga horária ampliada. Com isso, serão beneficiados 755.070 alunos do Ensino Médio, 506.198 da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e 31.710 alunos de oitavas séries. A mudança do turno noturno foi aprovada pelas escolas estaduais, que participaram […]

A partir do início de 2006, todas as 3.630 escolas estaduais que oferecem ensino noturno terão a carga horária ampliada. Com isso, serão beneficiados 755.070 alunos do Ensino Médio, 506.198 da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e 31.710 alunos de oitavas séries.

A mudança do turno noturno foi aprovada pelas escolas estaduais, que participaram de votação no site da Secretaria da Educação, entre os dias 12 e 15 de dezembro. Cada escola teve direito a um voto. Das 2.911 que participaram, 2.788, ou seja, 96% votaram pela ampliação da carga horária diária de 4 para 5 horas/aula. Com a mudança, os alunos do ensino noturno terão agora cinco aulas a mais por semana. A ampliação também será acompanhada por ações de capacitação, voltadas para os professores.

A proposta, já autorizada pelo governador Geraldo Alckmin, prevê que os alunos passem a ter 5 aulas de 45 minutos por dia. Atualmente, os alunos da noite têm 4 aulas de 50 minutos e estudam das 19h às 22h40. Com a aprovação da proposta, a jornada passará a ser das 19h às 23 horas e os alunos passarão a ter 25 aulas semanais, o que acarretaria um acréscimo de mais 167 horas durante o ano letivo.

Com esta mudança, os professores também terão benefícios. A nova grade de horário pressupõe um número maior de aulas e aumenta a necessidade de professores. O investimento para a ampliação será de aproximadamente R$ 153,44 milhões, em 2006.

“É importante que a escola e o professor que está dentro da sala de aula sejam consultados. Ninguém melhor do que eles para avaliar as necessidades dos alunos”, explicou o secretário de Educação, Gabriel Chalita.

Esta não é a primeira vez que as escolas estaduais participam da escolha de mudanças na rede de ensino, pelo voto. No início deste ano, as escolas votaram em três propostas de matriz curricular e optaram pela reestruturação do ensino médio diurno.

Em 1998, o quadro curricular de ensino sofreu algumas alterações de carga horária. Houve diminuição do número de aulas diárias e, em contrapartida, as aulas passaram a ter 60 minutos de duração (até 1997 o tempo de aula era de 50 minutos no período diurno e 40 no noturno).