segunda-feira, 31/08/2015
Pais e Alunos

Atividade extra classe incentiva formação cultural e social de alunos da rede estadual

Por meio de visitas monitoradas, alunos conhecem lugares históricos do bairro da Luz, em São Paulo

Com o objetivo de contribuir para a formação social e cultural de seus alunos, a professora de história da E.E. Professora Raquel Assis Barreiros, Iêda Lúcia de Oliveira, realiza uma atividade diferenciada, que acontece aos fins de semana. Intitulada de “Próxima estação: Luz – a luz da cidade e seus lugares de aprender”, a iniciativa oferece aos alunos do Ensino Médio a oportunidade de conhecer e desbravar o famoso bairro da Luz, localizado na região central de São Paulo.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Tudo começou em março desse ano quando a educadora, após ter trabalhado com a mesma prática em 2013 e ter obtido êxito, resolveu retomar a atividade. “Eles reconhecem o bairro como um espaço institucional, social, político e cultural que, efetivamente, contribui para o fomento de novas abordagens para o ensino não formal, ou seja, fora dos muros da escola, na formação de sua cidadania”, revela a educadora.

Em seus passeios, que acontecem sempre aos sábados, estudantes e professora têm a oportunidade de conhecer obras do arquiteto Ramos de Azevedo, museus como o da Arte Sacra e da Língua Portuguesa, além de memoriais como o da Resistência, foco da atividade, entre outros lugares, todos localizados no bairro ou próximo.

“Normalmente, as turmas chegam a aproximadamente 15 alunos, com algumas variações, dependendo do sábado. Na sala de aula, após a atividade, os alunos explicitam todo o encantamento do conhecimento que adquiriram e apreenderam, tornando-se multiplicadores de sonhos e de novos horizontes em relação às possibilidades no ensino e aprendizagem”, conta.

No último sábado (29), a atividade foi retomada, com outra visita ao Memorial da Resistência. No local, os estudantes tiveram a oportunidade de se adquirir conhecimento sobre direitos humanos, história das ditaduras do Brasil e do mundo, entre outras atividades. “No Memorial da Resistência, nós participamos dos ‘Sábados Resistentes’, lançamentos de livros que tratam de Ditaduras e Direitos Humanos, peças teatrais e exposições. Os alunos participam de forma efetiva nos debates. Já fazem parte daquele lugar”, finaliza a educadora.