quinta-feira, 13/08/2015
Boas Práticas

Aulas de violino incentivam alunos de escola estadual de Diadema

A atividade acontece há 3 meses e estudantes já se interessam em aprender novos instrumentos

Na E.E. Orígenes Lessa, em Diadema, as tardes de sábado ganharam um som diferente, o do violino. A quadra da unidade foi dominada pela atividade musical. Com idade entre 11 e 13 anos, são quase 40 jovens, entre meninas e meninos, moradores da região.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

“O objetivo é formar uma orquestra e escolhi essa idade porque eles têm mais tempo de se dedicar a esse tipo de atividade. Esse é o primeiro instrumento que estou ensinando, o próximo será o violoncelo”, explica o professor e idealizador do projeto, Luciano Pereira da Costa. Segundo Costa, a orquestra deve ser formada em torno de três anos.

Costa sempre sonhou em ensinar algum instrumento para os alunos. Então, nas aulas vagas começou a levar o violino e escrever uma nota na lousa. Os estudantes ficavam animados, pois já conseguiam tocar uma nota. “Fui percebendo a aceitação, foi muito rápida. Consegui a doação de 40 violinos e logo formei a turma. Eles estão se empolgando e querem aprender outro instrumento.

“O tempo livre e ocioso que eles tinham e usavam na rua, eles estão usando para uma finalidade mais objetiva, mais criativa e de aprendizado. Então ao invés de jogar bola na rua, correndo atrás de pipa, eles estão dedicando o tempo a outro tipo de conhecimento e de aprendizado que é o domínio da música. Com isso a percepção deles mudou muito. Até o gosto musical mudou”, explicou Rosana Galhardo Neves, professora de matemática.

Outros professores elogiam a atividade e o comportamento dos alunos após as aulas. “As mudanças são transformadoras, melhorou a disciplina, a atenção durante as explicações, o compromisso e ainda o respeito entre eles. A música tem o poder da transformação para uma vida sócio-educativa”, explica Vitor Hugo Marques, professor de educação física.

Os alunos se empolgam e não querem parar por aí. “Hoje eu fico escutando música clássica em casa e tentando pegar as notas. Quero aprender violoncelo e flauta. Meu grande sonho agora é tocar em lugares públicos, teatro”, se emociona William Batista da Rocha, aluno do 7º ano.

A rotina também mudou. “Antes eu ficava em casa assistindo séries. Agora venho pra cá para estudar música. Eu gosto muito das aulas de violino, mas quero aprender também violoncelo e piano. Quero tocar em uma grande orquestra em vários lugares,” diz Cristóvão Silva Santos, aluno do 7º ano.