segunda-feira, 04/05/2020
Últimas Notícias

Barbatuques leva aula de música à distância para a rede estadual

Representante do grupo ensinou técnicas de música corporal para estudantes e professores

Iniciando mais uma semana de estudos a distância nesta segunda-feira (4), Giba Alves, do grupo musical Barbatuques, conversou com o secretário de educação Rossieli Sorares e ministrou uma aula sobre técnicas musicais corporais para alunos e professores da rede estadual pelo Centro de Mídias de São Paulo.

O grupo Barbatuques foi fundado em 1995 e tem a proposta de fazer música a partir dos sons do corpo humano. A técnica, atualmente, é reproduzida por diversos professores em sala de aula, e faz bastante sucesso, além de ser econômica. “Todo mundo é meio Barbatuque” afirmou o secretário ao exemplificar que quando ouvimos uma música temos o costume de ficar dando batidas com as mãos.

“As crianças têm uma identificação com o Barbatuques que é quase imediata, pelo processo da imitação […] Quando elas nos veem no palco elas já imediatamente saem imitando, já procuram os sons” disse Caio.

Eles conversaram sobre o papel da linguagem musical na educação e como ela pode ser inserida nas matérias tradicionais, em português através do estudo das letras, em matemática pela contagem do tempo, em história e geografia através da pesquisa do seu contexto no mundo e em ciências pelo estudo do som, por exemplo.

Depois do bate-papo, Giba ministrou uma aula em que ensinou estudantes e professores a fazerem músicas com o corpo. Confira algumas técnicas:

• Palmas: Quanto mais você esticar a sua mão na hora de bater palmas, mas agudo o som produzido será. Então mãos em forma de concha produzem sons graves e mãos bem esticadas sons altos.
• Estalo: O truque para estalar os dedos é não deixar todos os dedos abertos. Mantenha o mindinho e o anelar fechados formando assim uma caixa acústica.
• Boca: A partir da repetição de fonemas é possível reproduzir o som de instrumentos músicas e gêneros musicais.

O grupo paulistano foi fundado em 1995 e desenvolveu uma abordagem única da música corporal através de suas composições, técnicas, exploração de timbres e procedimentos criativos. As atividades propostas pelo grupo desenvolvem a criatividade, a coordenação psicomotora e a percepção de si mesmo e do outro.