quinta-feira, 27/02/2020
Destaque

CEEJA de Araçatuba está com vagas abertas para qualquer modalidade

Candidato deve comparecer na unidade com documentos oficiais

O CEEJA (Centro Estadual de Educação de Jovens e Adultos) de Araçatuba está com vagas abertas para todos os módulos de ensino no EJA, a Educação de Jovens e Adultos. As inscrições destinam-se a candidatos com 18 anos ou mais que queiram voltar à sala de aula e a oferta inclui carga horária flexível em cursos de Ensino Fundamental – Anos Finais (6º ao 9º ano) e Ensino Médio, com atendimento individualizado para orientação de estudo e realização das avaliações parciais e final.

Para realizar a inscrição, o candidato deve apresentar documento de identidade (certidão de nascimento e RG), comprovante de residência e, se houver, o histórico escolar.  No caso de alunos com menos de 18 anos, o cadastro deve ser feito por pais ou responsáveis.

Os endereços e contatos dos 39 CEEJAs da rede estadual estão disponibilizados neste link

Atualmente, são oferecidos dois modelos de cursos de EJA na rede estadual de ensino que atendem aos Anos Finais do Ensino Fundamental e ao Ensino Médio: o curso de presença obrigatória e o curso de presença flexível. A escolha da modalidade, como presencial, flexível ou à distância, deve ser feita no ato da matrícula

Cada início de semestre representa uma nova entrada de pessoas interessadas em completar os estudos no EJA. “É muito importante perceber o quanto é significativo esse momento inicial para cada um deles. A decisão de retomar os estudos representa uma mudança em seu projeto de vida”, pontua a coordenadora da EFAPE, Cristina Mabelini. A escola de formação será parceira da Secretaria na divulgação da Busca Ativa para todos os interessados.

Os cursos da EJA recebem pessoas com características diversificadas, com histórias e experiências de vida singulares. Para a professora de Geografia Rosa Maria dos Santos Silva, do CEEJA de Carapicuíba, o EJA cumpre mais do que o papel de completar o estudo, mas reforça a independência e cidadania de cada indivíduo. “Ajudar essas pessoas a resgatarem sua autoestima e buscarem novas formas de voltar ao mercado me fez notar a força que temos”, afirma.