quarta-feira, 25/07/2018
CEL

Centro de Línguas recebe matrícula para cursos com vagas remanescentes

Essa é a oportunidade para alunos da rede aprenderem alemão, espanhol, francês, italiano ou japonês

Quem deseja aprender uma nova língua neste segundo semestre de 2018 ainda dá tempo. Os Centros de Estudos de Línguas (CELs) das 15 regiões administrativas do Estado estão com inscrições abertas para vagas remanescentes.

Os interessados podem contar com cursos de alemão, espanhol, francês, italiano e japonês. A oferta e idiomas, no entanto, variam de acordo com a unidade. O acesso às aulas é gratuita e podem se inscrever alunos do Ensino FundamentalEnsino Médio ou Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Os cursos são organizados em seis semestres (3 anos) com aulas quatro vezes por semana no contraturno do horário regular ou aos sábados a alunos a partir do 7º ano do Fundamental.

Vale ressaltar que a única exceção é o de inglês, cujo programa é de nível intermediário indicado a estudantes do Ensino Médio e com matrícula aberta apenas para o primeiro semestre.

O plano de estudo do CELs tem foco na gramática e conversação. O rendimento dos estudantes é avaliado em provas escritas e orais em sala de aula. Além do certificado, o desempenho, carga horária e nível são registradas no histórico escolar.

A iniciativa da Secretaria de Estado da Educação já foi, e ainda é, fundamental para o desenvolvimento de milhares jovens paulistas. Como é o caso do ex-aluno da escola Rui Bloem, na capital, Bruno Souza Ribeiro. Para ele, muitas portas se abriram depois que começou a frequentar o curso de espanhol na unidade.

“Eu tive as melhores oportunidades da minha vida. Nunca pensei que pudesse acontecer tantas coisas boas em um curto período”, completa.

O aluno Leonardo Souza Pinto, da unidade Plínio Negrão, também reforça a importância de participar dos cursos. “O CEL me ajudou bastante com a formação do alemão básico. Quando eu cheguei aqui, não tinha conhecimento da língua. Então, com o aprendizado de vários idiomas nós podemos ir para outros países e conseguimos nos encaixar lá sem problema nenhum”, ressalta.