sexta-feira, 15/06/2018
Foto divulgação
Ensino Fundamental

#CNIJMA: alunos fortalecem projeto paulista para a etapa nacional

Etapa estadual teve palestras, fusão dos projetos regionais e eleição dos representantes da rede estadual

Estão à caminho de Sumaré, interior paulista, 18 estudantes, três professores e dois representantes da Comissão Organizadora Estadual (COE) para participarem da 5ª Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente. A viagem ocorre após a conclusão da etapa estadual, que durou dois dias (quinta e sexta-feiras) na sede da Secretaria da Educação do Estado. O grupo representará o estado, e apresentará o projeto intitulado como “Água Jovem para um Novo Mundo”.

Participaram da etapa estadual representantes de diversas partes do estado paulista. Cada um trouxe o projeto de sua escola, onde tiveram que estudar sobre cada um deles e chegar a uma conclusão sobre o que seria interessante manter para montar um plano único. De início, os cerca de 30 alunos se dividiram em quatro grupos. Foram três atividades principais, no primeiro dia: uma palestra sobre educação sustentável; processo de fusão dos projetos, onde os estudantes foram colocados em grupo, e cada um desses grupo pensou em um projeto comum das escolas ali representantes; e, por fim, em um processo democrático elegeram os 18 representantes que seguiriam para a etapa nacional.

Nesta sexta-feira, foi finalizado o processo de fusão. Então, dos projetos construídos pelos quatro grupos montados inicialmente, saiu um projeto final, que será apresentado na 5ª CNIJMA. Juntamente com os 18 alunos e alunas, estão na Conferência dois professores da rede e três adultos da COE, compondo uma comitiva de 23 pessoas.

“Eu acho que o mais importante da etapa estadual foi conseguir garantir que os próprios estudantes fossem protagonistas do processo. A todo momento a gente atuava muito mais como facilitadores, para que eles refletissem quais são as demandas que eles identificam”, avalia o educador ambiental, Fernando Martins Pereira da Silva, que é representante do Instituto Akatu no COE.

Fernando vibra por a juventude estar mais consciente atualmente. Segundo ele, algumas práticas ainda não adotadas por adultos não fazem o menor sentido para as novas gerações, como o simples fato de escovar os dentes com a torneira aberta. “E quando eles estão bem maduros em relação a essas atitudes, podemos começar a articular outras ideias. A ter uma consciência maior do contexto, entender de onde vem a água que consumimos, e também o quanto de água se usa para que a gente consiga almoçar, usar uma roupa e tudo o mais”, completa Fernando Martins.

Na Escola Estadual Indígena Índia Vanuire, em Tupã, os estudantes se juntaram para que o leito do córrego Pirá, que corta a aldeia, voltasse ao seu volume natural. Com a orientação dos educadores, pesquisaram onde estavam as nascentes e, após encontrarem, iniciaram um trabalho de conscientização, tendo em vista que muitas delas se originam em propriedades vizinhas.

O projeto da escola indígena foi representado na etapa estadual. A partir dele, e de muitos outros, foi possível enriquecer o “Água Jovem para um Novo Mundo”, compilado que seguirá adiante. Os alunos entenderam, durante a etapa estadual, que para cuidar das águas é necessário conscientizar sobre a preservação das nascentes. “Eu quero conscientizar a minha comunidade e, também, tornar o mais jovem um cidadão consciente. Se não cuidar, vai faltar para ele, para mim, para as futuras gerações”, conta a professora Lidiane Damaceno, da EEI Índia Vanuire.

Pollyana Faccio Moreira, de 13 anos, estuda na escola estadual Assentamento Santa Clara, localizada em Mirante do Paranapanema, e será uma dos representantes da rede estadual na CNIJMA. Para a garota, participar da etapa estadual foi muito interessante e produtivo. “Nós discutimos sobre os projetos. Agrupamos todos os projetos e montamos um único que representará a todos. Esse projeto fala sobre o consumismo, destruição das nascentes e muito mais”, conta. De malas prontas, Pollyana espera conhecer gente nova, fazer amizades e aprender muito mais sobre o assunto, na CNIJMA. “A Conferência é uma iniciativa importante, pois quanto mais tiver incentivo, mas a gente vai ter interesse em querer ajudar”, diz a estudante.

Morador de Biritiba Mirim, Pedro Henrique de Carvalho Luizon estuda na EE Doutor Sentaro Takaoka, que fica em Mogi das Cruzes. O estudante também estará na Conferência, relata que aprendeu bastante durante os dois dias de evento na capital paulista, e explica que sua presença nas etapas estadual e nacional foi um golpe de sorte. Acontece que o estudante era suplente da primeira delegada, mas de última hora foi o escolhido para representar a região.

Segundo o garoto, o meio ambiente é uma forma da humanidade conseguir viver por mais tempo, e por isso é necessário preservar o meio ambiente para sempre. Sobre os dias que passará em Sumaré, na Conferência, Pedro só pensa em absorver todo conhecimento que puder. “Eu espero ter mais experiência para que assim que eu chegar na escola possa contar tudo para o pessoal”, relata. “Espero, também, que todo mundo se de bem com todo mundo por lá, e que a gente consiga fazer um trabalho bom em Sumaré”, completa Pedro Henrique.

Sobre a 5ª CNIJMA

A V Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente acontece até o dia 19 de junho, e tem como objetivo fortalecer a educação ambiental nos sistemas de ensino, propiciando atitude responsável e comprometida da comunidade escolar com as questões socioambientais locais e globais com ênfase na participação social e nos processos de melhoria da relação ensino-aprendizagem, em uma visão de educação para a diversidade, inclusiva e integral.

A Conferência Nacional é o encontro nacional das delegações estaduais para realização oficinas, atividades culturais e diálogos sobre o tema “Água”, a partir dos projetos de ação selecionados nas etapas Estaduais e Distrital.

Serão aproximadamente 460 delegados e delegadas, entre 11 e 14 anos, de todo pais, que já debateram o tema em suas escolas, nas Conferências Municipais e/ou Regionais e nas Conferências Estaduais. Na Conferência Nacional, esses jovens irão aprofundar a temática, socializar os projetos, participar de oficinas.