quarta-feira, 27/06/2018
Foto Divulgação
Boas Práticas

#CNIJMA: etapa nacional marca um novo tempo de jovens protagonistas

Delegação paulista aproveitou o evento para distribuir sementes que compõem o Bioma do Estado

A 5ª Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente teve sua etapa final realizada com muito sucesso! Durante quatro dias, as delegações participantes se reuniram na Estância Árvore da Vida, em Sumaré, interior de São Paulo, para debater o futuro do planeta Terra. No total, a etapa nacional da V CNIJMA contou com a presença de cerca de 600 pessoas, entre estudantes, jovens facilitadores, professores, especialistas e equipe técnica.

O primeiro dia da Conferência foi marcado por muita agitação e expectativas por parte dos participantes, que foram selecionados após enviarem projetos com o tema “Vamos Cuidar do Brasil Cuidando das Águas”. Ali, os jovens facilitadores, de 18 a 30 anos, guiaram os estudantes durante as missões preparadas para os quatro dias de atividades.

A aluna da escola estadual Dom Artur Horsthuis, Leticia dos Santos Bispo é uma das integrantes da comissão paulista. Para ela, participar da Conferência foi uma experiencia maravilhosa, pois teve a oportunidade de conhecer várias pessoas de todos os cantos do Brasil, todos juntos pela mesma causa. “Eu vi vários projetos diferentes que eu não tinha pensado e que da pra trazer para a nossa realidade”, comenta Leticia. Como exemplo, a aluna esclarece que já tinha ideias de cisternas, mas conheceu novas formulas mais avançadas. “Esses novos métodos nos trouxeram mais conhecimento sobre a manipulação da água e sobre como mantê-la limpa para usar nas atividades da escola”, acrescenta.

Para a ativista juvenil, “a Feira de Projetos foi o momento mais marcante, onde todos os projetos foram apresentados. E esse momento foi o que mais me marcou. Porque ali a gente viu a realidade de cada estado, o que eles passam e o que eles pensam para que consigam encontrar soluções para os seus problemas. Além disso, eu pude presenciar a força de vontade de todos os alunos em realizar tais ações”, explana Leticia.

A cerimônia de abertura da V CNIJMA foi realizada no sábado, segundo dia do encontro. A partir deste momento, se deu início à jornada sobre a água, onde os estudantes foram denominados como nascentes vindas de todos os cantos do Brasil. Após discursos, todos participaram de uma ciranda que representou o encontro das nascentes.

Para a coordenadora pedagógica da V CNIJMA, Daisy Cordeiro, uma experiência como essa pode ser transformadora. “As conferências funcionam como um divisor de águas. Os participantes saem com outra visão, pois percebem a criatividade e capacidade de uma escola mais sustentável”, esclarece Daisy.

No dia seguinte, a programação apresentou vivências educativas aos estudantes. Com jogos colaborativos, os participantes que chegaram à conferência como nascentes e se juntaram em rios, fizeram nova união para formar as bacias hidrográficas, grupos maiores de alunos de todos os estados brasileiros. E, em clima de Copa do Mundo, após as atividades, a V CNIJMA fez uma pausa na programação para que os participantes pudessem torcer pela seleção do Brasil no jogo com a Suíça pela Copa do Mundo.

“A proposta metodológica da V CNIJMA adotou uma estratégia vivencial, transformando atividades em um processo animado, divertido e transformador. Com isso, o método envolveu os estudantes, revelando seus potenciais e habilidades de forma lúdica e, também, construindo repertório teórico para compartilhar com os seus territórios e comunidades escolares”, explica Andreia Cardoso, da Equipe Curricular de Geografia e Educação Ambiental do CEFAF/CGEB.

“Essa união apresenta uma variante cultural muito grande. Então, a gente apresentou alguns jogos para que eles socializassem ainda mais e aprendessem brincando, que é a ideia de toda a metodologia da conferência”, explica o jovem facilitador Del-Alisson Miranda.

A intenção foi incentivar a continuidade dos projetos nas comunidades escolares, mobilizando toda a sociedade no cuidado com águas, por meio da criação e fortalecimento da Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola – COM-VIDA, coletivo que pode contribuir com a promoção de ações de sustentabilidade socioambientais na escola e na interlocução com a comunidade.

“Portanto, neste processo a água foi o elemento central, capaz de unir os participantes como as nascentes que se transformaram em córregos, rios, bacias hidrográficas até  chegar ao mar, para depois tornarem-se nuvens que caem em forma de chuvas para alimentar novas nascentes e, assim, dar continuidade ao ciclo da vida por meio de ações de cooperação, em benefício de toda a comunidade”, completa Andreia Cardoso.

O quarto e último dia da Conferência foi marcado pela junção de todas as nascentes, os alunos, que formaram um oceano de conhecimento no pátio externo da Estância Árvore da Vida. Reunidos em uma nova ciranda, os participantes se emocionaram com o momento da despedida.

Na etapa nacional, a delegação paulista, composta por 18 estudantes, 2 professores e 3 acompanhantes da Secretaria da Educação e Comissão Organizadora Estadual, se reuniu para dialogar, compartilhar ideias e experiências e construir conhecimentos junto aos participantes de todo o Brasil, na Feira de Projetos. Os estudantes da delegação paulista presentearam outras delegações com sementes que compõem os biomas do Estado de São Paulo.