quarta-feira, 06/01/2016
Pais e Alunos

Confira dicas de prevenção para o Zika Vírus

A causa da infecção é a picada do mosquito Aedes Aegypti, o mesmo transmissor da dengue

Os brasileiros estão em estado de alerta já há algumas semanas para a mais nova ameaça causada pelo mosquito Aedes Aegypti: o zyka vírus. Pertencente à mesma família dos vírus da dengue e da febre chikungunya. 

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Fique atento aos sintomas da doença, que são: febre intermitente, erupções na pele, coceira e dor muscular. Recentemente, o Ministério da Saúde confirmou a relação entre os casos de microcefalia, condição rara em que o bebê nasce com o crânio do tamanho menor do que o normal, com o zika vírus. 

O zika vírus foi identificado pela primeira vez em 1947 em um macaco rhesus na floresta Zika, de Uganda. A partir da década de 1950, foram registradas evidências da infecção nos humanos em alguns países da África e Ásia. Atualmente, há também registro de circulação do vírus na Oceania e alguns casos foram descobertos em países como Canadá, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos e Austrália.

A Educação selecionou cinco dicas de prevenção do mosquito para você utilizar na sua casa ou local de trabalho. As dicas de prevenção são as mesmas para evitar para os vírus da dengue e chikungunya:

1- Evite água parada: acumulo de água em pneus, garrafas ou qualquer tipo de reservatório pode acarretar em um criadouro do mosquito. Por isso, é importante que após os períodos de chuva, haja uma verificação se não ficou água acumulada em algum local.

2- Jogue lixo no lixo: Muitas pessoas pensam que os lixos não apresentam perigo às infecções trazidas pelo mosquito. Mas a verdade é que pode haver acumulo de água dentro do lixo e, com isso, a possibilidade de reprodução do mosquito. Para isso, é importante que as pessoas vedem os sacos de lixo e não os deixem expostos.

3- Cuidado com a caixa d´água: é importante que as pessoas tomem o devido cuidado para que a caixa d´água esteja devidamente tampada para que não haja possibilidade de reprodução do Aedes Aegypti.

4- Reciclagem de pneus: pneus usados são um importante local de reprodução do mosquito. Por isso, é importante que estes estejam em um local que não exista a possibilidade de acumulo de água. Além disso, as pessoas podem entrega-los em um posto de coleta da Prefeitura Municipal.

5- Vasinho de planta: elimine o pratinho do vaso de planta ou utilize um prato que se encaixe perfeitamente no vaso para que não haja acumulo de água.

“O mosquito transmissor da dengue e da chikungunya é o mesmo que transmite o zika vírus. Por isso, todas as sugestões que valem para a prevenção de uma infecção, valem também para a outra. É importante que as pessoas sigam as orientações e tentem diminuir o máximo possível qualquer tipo de criadouro do mosquito”, afirma Eleuza Guazzelli, da Equipe Curricular de Ciências da Natureza da Secretaria da Educação. 

Plano estadual de combate ao Aedes aegypti 

O Governo do Estado fará uma força-tarefa para combater o Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue, febre chikungunya e do zika vírus. A estratégia faz parte do Plano Estadual de Combate às Arboviroses, ação coordenada pela Secretaria do Estado da Saúde em parceria com outras 11 secretarias estaduais com fundo superior a R$ 50 milhões por ano. 

Para a ação, a Polícia Militar e a Defesa Civil vão se juntar aos agentes da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen), no trabalho de vistoriar locais de possível criação do mosquito, com o objetivo de removê-los. Em caso de necessidade, o Exército será acionado. O plano ainda prevê treinamento de profissionais de saúde em todo o Estado para diagnóstico e manejo clínico de casos suspeitos da infecção, entre outras ações.

– Clique aqui e saiba mais sobre o plano.