domingo, 13/08/2017
Crédito: A2img / Daniel Guimarães
EJA - Educação de Jovens e Adultos

Conheça a história de um pai que voltou aos estudos para incentivar o filho

Na Educação para Jovens e Adultos, os dois retomaram os laços perdidos ao longo dos anos

A educação não tem somente o poder de transformar vidas. Ela também une as pessoas. E foi isso o que aconteceu com Everaldo Rozario, de 43 anos, e Vinicius Rozario, de 22. Pai e filho, separados há anos, contam como retomaram os laços fraternos na Educação para Jovens e Adultos da rede estadual de ensino.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Até os 18 anos, Vinicius morou com sua mãe e outros familiares em Lençóis Paulistas, interior de São Paulo. Quando recebeu o convite para morar com seu pai, zelador de um prédio, aqui na capital, o quadro era preocupante. Ele ainda não havia concluído o Ensino Fundamental e os estudos não faziam mais parte dos seus planos.

“De longe, eu sempre recebia reclamação de que ele não ia à escola. Só queria andar de patins, skate e bicicleta. Aí eu pensei assim: vou fazer uma coisa pelo meu filho, porque o incentivo que eu der para ele vai ter que ser melhor do que eu tive”, disse Everaldo.

Para que Vinicius voltasse à escola, Everaldo resolveu que voltaria também. O filho revela que no início foi um desafio muito grande. “Eu ia para a aula sem querer ir. Preferia ficar em casa, jogando meu videogame. Aí ele falava para mim: ‘você tem que ir para ser alguém na vida, porque sem estudo você não é nada’. E eu também ficava imaginando o que as pessoas iam pensar de mim, por estar estudando com meu pai. Hoje, nada disso faz sentido e eu vejo que ele só quer o meu melhor, o melhor de mim”, disse.

Juntos, pai e filho se matricularam na Educação para Jovens e Adultos e hoje são alunos da E.E. Rodrigues Alves, na capital. Everaldo relata que os estudos aproximaram os dois e os ajudaram a reaver o laço perdido ao longo dos anos em que estiveram separados. “A única coisa que eu não consegui aprender ainda é o videogame. Eu não tenho paciência. Ele é louco para eu aprender, ele quer que a gente dispute, aí eu falo: ‘não, fica aí na sua’”, brincou.

“Parceiros” é assim que eles se reconhecem, sentem admiração um pelo outro, trabalham, se divertem e estudam juntos. “Que eu vejo assim é que ele é o melhor pai do mundo, ou pelo menos tenta ser”, orgulha-se Vinicius. Já Everaldo, não esconde que voltar aos estudos, pelo filho, foi a melhor decisão que ele já tomou.