sexta-feira, 22/03/2019
A Escola Que Queremos

Conheça o Contranarrativa, uma nova forma de combater o bullying nas escolas

Ação criada por ONG de segurança digital visa estimular diálogo e compreensão entre alunos

O escritor e orador norte-americano Dale Carnegie foi autor de vários livros sobre comportamento humano. Uma de suas principais lições era sobre persuasão. Segundo o autor, convencer uma pessoa exige entender de onde vem e como funciona um determinado senso ou ideia.

Um desses pensamentos é o discurso de ódio. Nas escolas, ele é manifestado pelo bullying, termo que caracteriza qualquer ação ou atitude de agressão verbal, física e psicológica a estudantes, professores e funcionários.

Diversos programas na rede pública existem e são colocados em prática para combater o bullying. Mas uma nova forma de pensar a questão vem ganhando adeptos. É a Contranarrativa.

Idelizado pelo Google, em parceria com a SaferNet, ONG de segurança digital, a Contranarrativa é um programa feito para professores estimularem um debate sadio nas salas de aula usando práticas de argumentação, senso lógico e interpretação.

Seis dicas para preservar a segurança de crianças e adolescentes na internet

“Nossa ideia é trabalhar questões de enfrentamento emocional e bullying de uma forma leve e prática. Estimulamos sempre o debate usando notícias e outro tipo de conteúdo na internet, algo próximo dos alunos”, explica Rodrigo Nejm, coordenador da Safernet e um dos idealizadores do programa.

Segundo ele, a ideia é sempre criar uma narrativa contrária ao discurso de ódio e ao bullying, de forma a traçar a lógica e mostrar o porquê daquela ação ser agressiva ou desrespeitosa. “É importante revisitar fatos de forma a ter mais opiniões e abraçar a diversidade”, complementa.

A cartilha para professores, disposta no link, lista uma série de 14 boas práticas para seguir para desconstruir o discurso. Entre elas, entender o contexto, propor uma crítica ao argumento e evitar estereótipos e confrontos ajuda alunos a entenderem o porquê da questão. “Muitas vezes, é mais interessante explicar ao aluno o motivo de algo ser considerado como ruim do que dizer o que é crime e não é”, explica Rodrigo.

Projetos contra o Bullying ganham a rede estadual

Além do Contranarrativa, vários projetos na rede pública de São Paulo têm como objetivo combater o bullying. Na escola Professor José Augusto de Oliveira, em Ourinhos, o projeto “Se Liga” reúne atitudes de bullying por meio de reuniões com mediação de conflitos e respeito ao próximo. “Fazemos reuniões com a diretora a cada 15 dias e surgiu a ideia de criar estratégias para incentivar o respeito ao próximo”, conta a líder de turma Kaendra Carrero Marques, da 3ª série do Ensino Médio.

Em Pedregulho, na Professora Maria Aparecida Sales Manreza, o “Projeto de Paz” conseguiu diminuir as experiências de bullying na escola por meio de reuniões junto ao Grêmio Estudantil. “Num dos casos que mediamos, um dos colegas percebeu a forma como os colegas cadeirantes eram tratadas pelos demais e relatou o fato. O assunto foi abordado e transformamos a convivência entre eles em algo mais agradável”, explica Paulo César Maestri, docente de geografia e mentor do projeto.