segunda-feira, 13/05/2019
Boas Práticas

“Dia de Quem Cuida de Mim”, o projeto que reconhece a importância de quem educa

Projeto de inclusão da comunidade acontece na E. E. Alvino Bittencourt, na capital

Dia das Mães e Dia dos Pais. Datas especiais criadas para homenagear talvez as duas figuras mais importantes na vida de uma pessoa. Se para muita gente a data marca almoços em família e dias de rever fotos, para outras a data tem um significado especial: é hora de lembrar aqueles que não têm laços sanguíneos, mas cuidam, nutrem e educam como verdadeiros pais.

É o que a E. E. Alvino Bittencourt, na capital, faz. Ao invés de “Dia das Mães” ou “Dia dos Pais”, as datas comemorartivas tem o nome de “Dia de Quem Cuida de Mim” e busca homenagear todos aqueles que, direta ou indiretamente, fazem o papel de mãe ou pai na vida das crianças.

A ideia surgiu ainda em 2015, quando o diretor Denys Munhoz reparou a tristeza de algumas crianças, que não tinham a quem entregar as lembranças confeccionadas durante a semana antes dos Dia das Mães.

Denys resolveu agir. Pensado como parte integral do PEI – Programa de Ensino Integral, a ideia é composta por uma série de apresentações de alunos voltadas à comunidade. Como forma de integrar os alunos, pais, mães, avós, tios e pessoas queridas são convidadas sem distinção. Todos participam da festa como “cuidadores”, com homenagens feitas a partir da música e do teatro.

“A iniciativa é fantástica. Tem muitos alunos que os pais têm uma rotina corrida e ficam com avós e tios. Os pais trabalham bastante e essa ideia de privilegiar quem cuida das crianças faz as crianças se sentirem acolhidas e cuidadas”, cita Eduardo Alves da Costa, pai do Allan, do 5º ano na unidade.

Durante aproximadamente 2 meses, as crianças praticam e escolhem apresentações com o intuito de premiar as pessoas mais queridas do entorno. A música “Cuida de Mim”, de Carlos Colla e Michael Sullivan, é cantada por todos os alunos, além de apresentações em inglês e espanhol. “As crianças aproveitaram as aulas de linguagem e educação física para treinar as danças. Foram aproximadamente 10 treinos para as apresentações de hoje”, explica Ana Cláudia Fernandes, coordenadora de área.

Como forma de criar inclusão, a participação da comunidade é estimulada. A escola fica aberta e os cuidadores podem entrar e participar da festividade. Mas nem sempre foi assim. A comunidade entendeu a proposta após alguns anos de muita insistência. “Fazemos o “Quem Cuida de Mim” desde 2015 e eu participo desde o começo. Vejo que agora os pais estão participando mais”, diz o professor Valdemir Silvestre de Lima.

Hoje o projeto é um sucesso total. Marca também a oportunidade dos cuidadores conhecerem quem está no dia-a-dia da escola, fazendo o papel de cuidadores enquanto os pais estão fora. “A organização está de parabéns. Todo mundo, professores, diretoria. Meu filho é especial e ele é muito bem tratado na escola. A atenção dada a ele é fundamental para o desenvolvimento dele”, comemora Eduardo.

O filho dele, Allan, reforça a importância do dia festivo: “fiquei feliz e emocionado de ver meu pai na escola”.