terça-feira, 29/08/2017
Crédito: Divulgação
A Escola Que Queremos

Livro conta atividades do programa Escola da Família realizadas na DE de Suzano

Publicação reúne experiências de bolsistas, educadores voluntários e participantes da comunidade

As escolas estaduais de Suzano promovem os 14 anos do Escola da Família com um livro de relatos e depoimentos de experiências que construíram o programa na Região. São histórias de solidariedade, gratidão, superação e sucesso. Até mesmo o próprio processo de produção do livro relembra essa trajetória de conquista baseada em parceria, dedicação, persistência, apoio e oportunidade. Os textos foram elaborados durante os meses de junho e agosto, a partir das falas de bolsistas universitários, vice-diretores, educadores voluntários, alunos e participantes da comunidade.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Os bolsistas universitários reconhecem a importância do Programa para que consigam conquistar o tão sonhado diploma, que muitas vezes é o primeiro na família. Além disso, tem o aprendizado profissional e pessoal das relações construídas aos finais de semana. “O Programa Escola da Família nos proporciona ingressar em cursos que nos levam a uma profissão e podemos dizer também que nos torna pessoas melhores”, afirma Mauricio dos Santos, ex-educador universitário que concluiu o curso de Matemática em 2016.

Para a educadora universitária Amanda Cristina, “é como se o Programa fosse uma graduação da convivência dos alunos e comunidade, o que permite conhecer a diversidade de cada contexto de vida”. O educador voluntário Paulo Magalhães destaca como essas relações foram importantes em sua vida ao dizer que “a Escola da Família foi um remédio para minha alma”.

Além das oportunidades de lazer, esporte e cultura, destacam o acolhimento, o respeito e a valorização que recebem na escola. “Hoje eu vou à escola aprender e ensinar, e, acima de tudo, é um lugar onde eu sei que vou encontrar apoio, seja quem eu for, ou de onde eu vier”, diz Lucas Gabriel, participante da Comunidade, de 17 anos. Outro participante da comunidade, Jonathan Mergulhão, diz que “não é apenas vir e me divertir, é também ver como a escola ajuda o próximo”.

O depoimento do técnico de informática e participante da comunidade, Jair Barbosa, resume bem a missão do Programa ao abrir as escolas aos finais de semana, quebrando barreiras reais e simbólicas e servindo de ponte entre a comunidade, seus sonhos e um futuro melhor. Segundo ele, “quando o Programa Escola da Família foi lançado em 2003, comecei a entrar na escola pela porta da frente, pois eu nunca mais precisei pular o muro para praticar meu esporte favorito”.