quarta-feira, 16/05/2018
Governo do Estado de São Paulo
Boas Práticas

#DesafiosMatemáticos: mais de 97 mil estudantes se inscreveram no concurso

A iniciativa estimula o raciocínio lógico nos alunos do Fundamental e do Médio

Equipe Curricular de Matemática da Secretaria da Educação divulga números do “Desafios Matemáticos – 2018”. Nesta segunda edição, mais de 97 mil estudantes se inscreveram para participar de um dos maiores concursos de exatas da rede estadual paulista. A iniciativa estimula o desenvolvimento da competência do raciocínio lógico matemático dos alunos do Ensino Fundamental – Anos Finais e do Ensino Médio.

A equipe curricular de matemática está satisfeita com o número de escolas, professores e alunos que demonstraram interesse em participar do projeto. “Isso comprova o trabalho pedagógico dessas escolas em promover a interação entre pares, em atividades realizadas interclasse e extraclasse compartilhando diferentes estratégias de calcular e de buscar soluções para situações problema”, comenta Vanderley Aparecido Cornatione, integrante da Equipe Curricular de Matemática.

Segundo relatório de consolidação de dados, participaram 77 Diretorias de Ensino, com 803 unidades escolares. Entre os estudantes do Fundamental e do Médio, foram inscritos 6.239 turmas, 24.296 equipes e 97.184 alunos e alunas.

Primeira edição do “Desafios Matemáticos” leva solução de problemas à comunidade

Em 2017 aconteceu a primeira edição do “Desafios Matemáticos”. Foram 150 projetos enviados pelas Diretorias de Enisno. Desses, 15 foram considerados os destaques da competição. Uma das escolas escolhidas foi a E.E. Prefeito Tácito Zancheta, em Ferraz de Vasconcelos. Lá, alunos e professores se uniram para criar o projeto de uma ponte que facilitará a vida da comunidade escolar.

O concurso, além de estimular o desenvolvimento da competência do raciocínio lógico matemático, também favorece o trabalho colaborativo envolvendo alunos, professores de outras disciplinas e áreas do conhecimento, equipe gestora e comunidade.

A competição tornou evidente a importância de as disciplinas trabalharem de forma articulada, de se auxiliarem mutuamente, com foco na aprendizagem dos alunos. Vale ressaltar que a Matemática dentro de um contexto significativo favorece o desenvolvimento de habilidades e competências para a vida.

Na Tácito Zancheta, o professor Alexandre Ribas Silva organizou cinco alunos para que juntos criassem um projeto para participar do Desafios Matemáticos 2017. Ao analisarem a plataforma Foco e Aprendizagem foi constatado que, na unidade, a maior dificuldade dos alunos estava relacionada a Equação de 2º Grau e a Geometria Plana. Com isso, o projeto ideal seria algo que trabalhasse com esses cálculos para aliar a dificuldade dos alunos com o êxito do projeto.

Bem perto da escola, por cima de um córrego passa uma ponte que está quase caindo, mas é bastante utilizada por alunos e por moradores da vizinhança. Foi então que o grupo resolveu que o melhor seria calcular um novo projeto que substituísse a atual passagem. Mediram a distância entre as margens do rio, fizeram os cálculos necessários e desenvolveram um design que será fabricado a partir de bambus. “Porque a equação de segundo grau, ela tem um formato parabólico, e os alunos já falaram assim: professor, tem uma ponte aqui embaixo, vamos lá dar uma olhada e ver se a gente consegue colocar o nosso projeto envolvendo essa ponte? Eu falei, nossa, que bacana!”, afirma o professor de Matemática Alexandre.

O professor Alexandre conta que o envolvimento dos alunos até o surpreendeu, pois a equipe se reunia na escola até em horários de contraturno e também aos finais de semana. Aluno e integrante da equipe, Wesley Sousa Santos diz que já conhecia a ponte, pois alguns colegas a utilizavam na ida e vinda para a escola. Para ele, “a passagem facilita muito a vida das pessoas, pois eles não precisam dar muita volta para chegar à escola”.

Wesley Rocha Bezerra, que também é aluno da Tácito Zancheta e integrante da equipe, conta que “participar desse desafio é gratificante, pelo fato de ser um desafio e ter colocado em prática tudo o que se aprende na sala de aula. Com isso a gente pode mostrar que aquilo não é possível somente no papel, mas aplicável na vida real”, esclarece.

Claro que a construção é um passo que será dado no futuro, mas para isso os alunos e a escola precisam conquistar alguns parceiros, como um engenheiro e um profissional para analisar a superfície onde as bases da ponte serão instaladas.