quinta-feira, 23/07/2020
Boas Práticas

Duas professoras da rede estadual conquistam o Prêmio Educador Nota 10

Elas desenvolveram os projetos em 2019 com suas turmas do 5º ano do Ensino Fundamental

Com projetos realizados em 2019 nas turmas do 5º ano do Ensino Fundamental Anos Inciais, duas professoras da rede estadual conquistaram o Prêmio de Educador Nota 10: a professora Rita Mozetti da escola estadual Adalgisa de São José Gualtiéri, da região de Franca, e a professora Suzi Dornelas da Escola Estadual José Ranieri, da região de Bauru. Elas ficaram entre as 10 vencedoras do prêmio e concorreram com mais de 4 mil projetos inscritos por professores de todo o país. O prêmio é um dos mais concorridos da educação básica.

A professora Rita Mozetti desenvolveu no ano passado o projeto “Pé de Livro entre Amigos” para ampliar o conhecimento dos estudantes sobre educação literária e contou com a participação dos responsáveis e da comunidade escolar.

Escolher o nome do projeto foi fácil. “Eu queria que os livros fossem assim como os frutos nas árvores que nascessem. Por isso eu comecei a pendurar os livros na árvore dentro da nossa escola. A gente colhia os livros, assim como a gente colhe os frutos”, explica a professora Rita.

Ela realizou leituras de obras de grandes autores da literatura mundial, como Miguel de Cervantes, William Shakespeare, José de Alencar, entre outros. Todas as terças-feiras, batizadas de “terças literárias”, os alunos junto com os responsáveis e a comunidade escolar eram convidados a ir até escola escolher um livro. Na semana seguinte era realizada uma roda de conversa e discussão das obras escolhidas.

Para expandir o projeto, a professora Rita Mozetti e os alunos do 5º ano começaram a levar obras literárias aos alunos de diferentes séries no intervalo das aulas e, com o sucesso da iniciativa, os estudantes começaram também a arrecadar obras. Com tantas obras disponíveis e o desejo de que mais pessoas tivessem o prazer da leitura, a professora e os alunos decidiram realizar um pedágio literário, distribuindo essas obras arrecadadas aos motoristas de ônibus que passavam perto da escola.

“Eu acredito que esse projeto alcançou o sucesso que ele tem, esse destaque, porque ele não envolveu só a professora e os alunos, ele envolveu toda a escola, toda a equipe escolar e toda a comunidade”, diz.

Já a professora Suzi Dornelas que leciona educação física na escola estadual José Ranieri, em Bauru, desenvolveu o projeto “Viajando pela cultura africana” que tinha o mote de envolver os alunos no universo africano por meio de jogos e brincadeiras lúdicas. A docente ainda despertou o olhar dos estudantes para reflexões sobre as diferenças entre as culturas e a importância do respeito com todos os povos.

Entre as brincadeiras realizadas estão a Mamba que é quando uma criança é escolhida para ser a serpente e precisa pegar os demais. Quando um é pego, ele vai se juntando como parte da cauda da cobra. E também o jogo Ambutan em que um monte de terra é juntado e um graveto é colocado no meio. Cada criança tirará um pouco da terra do monte sem derrubar o graveto do lugar.

Os estudantes e as famílias também foram envolvidos para criar o Festival Viajando pelos Caminhos da África. Os alunos ficaram responsáveis por pesquisar sobre as singularidades dos diferentes países do continente africano e depois apresentar no festival o que mais gostaram e aprenderam durante as aulas.

No festival os alunos também apresentaram seus desenhos, pinturas, músicas, poemas e danças. No dia do festival também foram ofertadas comidas típicas como feijoada, cuscuz, qumbe, vatapá e koeksusters.

“As crianças aprendem brincando e levam isso para suas famílias e amigos. Ver o quanto elas se envolveram e levaram isso para suas casas foi muito gratificante. Será um aprendizado que ficará marcado para sempre, transcenderá a escola, ficará para a vida deles”, ressaltou a professora.

Todas as atividades realizadas foram registradas em um diário de campo com registro de fotos de todas as etapas. Dos momentos na quadra com as rodas de conversa e reflexões, à etapa final da apresentação do festival.

O Prêmio Educador Nota 10 foi criado em 1998 pela Fundação Victor Civita que, desde 2014, realiza a premiação em parceria com Abril, Globo e Fundação Roberto Marinho.