sábado, 17/11/2018
Ensino Médio

Eletiva de Robótica cria óculos que auxilia mobilidade de deficientes visuais

Três alunos da E.E. Dr. José Marcondes de Mattos, de Taubaté, são os responsáveis pela iniciativa

Estimular a criatividade é uma das responsabilidades das inúmeras disciplinas eletivas da rede de ensino paulista. No município de Taubaté, por exemplo, a eletiva de Robótica da E.E. Dr. José Marcondes de Mattos ganhou destaque entre os deficientes visuais.

Com a metodologia ABP (Aprendizagem Baseada em Problema), três estudantes do Ensino Médio trabalharam no desenvolvimento do Dispositivo Sensorial de Auxílio à Mobilidade, o DSAM.

O projeto, orientado pelo professor de Física Ednilson Luiz Silva Vaz, tem como finalidade garantir mais autonomia do deficiente visual nas suas atividades cotidianas. Ele faz a identificação de objetos localizados acima do solo e emite sinais sonoros.

“O diferencial do trabalho é que ele está sendo testado por um aluno deficiente visual da mesma turma dos estudantes que estão desenvolvendo os óculos”, afirma Ednilson.

A ideia foi motivada a partir de um dos estudantes de grupo, que possui um amigo deficiente visual. Os jovens sabiam o que queriam fazer, mas não tinham noção de como executar. O aluno Sebastião Guilherme Junior conta que a proposta surgiu inicialmente do sensor de ré de um carro.

“A gente tinha uma noção básica de como funcionava, e com a orientação do professor a gente foi aprendendo mais sobre o dispositivo”, explica. Para a criação do projeto, o grupo utilizou a Arduino, plataforma aberta de prototipação eletrônica.

Assim, os alunos conseguiram criar um óculos que traz mais segurança do que a bengala comum. Além disso, acreditam que o dispositivo tem grande potencial para ser levado ao mercado e elevar a qualidade de vida de muitas pessoas.