quinta-feira, 07/06/2018
Foto divulgação
Boas Práticas

Eletiva ensina estudantes sobre como estar de bem com a vida

A adoção de práticas saudáveis melhora a saúde física e psicológica das pessoas

Estar de bom com a vida é algo que todas as pessoas almejam. E existem diversos fatores que podem colaborar para que essa meta seja alcançada, um desses é a adoção de hábitos saudáveis. Foi para possibilitar uma vida melhor aos estudantes que os professores e direção da escola estadual Dulce Ferreira Boarin criaram a eletiva “De bem com a vida”. A disciplina é destinada ao grupo de alunos que têm interesse em seguir profissionalmente na área da Saúde.

“O processo de eletiva teve um comprometimento muito grande dos professores envolvidos. Eu coordeno, mas todo o trabalho de articulação partiu dos professores Lucas Fachini, de Educação Física, e Wilma Valéria Salomão, de Matemática e Ciências”, esclarece Diego de Oliveira, professor orientador da unidade escolar.

A proposta do tema surgiu a partir do estudo do Projeto de Vida e na observação da necessidade de uma orientação em relação à adoção de hábitos saudáveis para a saúde do corpo, assim como a sua preservação. Com isso, relacionaram as disciplinas de Ciências, Matemática e Educação Física ao estudo dos bons hábitos de saúde pessoais e coletivos a fim de proporcionarem um momento interdisciplinar através do qual o educando construa a sua aprendizagem, o que dá aos estudantes a oportunidade de constituírem comportamentos cotidianos e/ou ações educativas capazes de torná-los críticos e protagonistas em suas atitudes.

“E faz parte da educação cultivar os hábitos saudáveis da manutenção do corpo, pois isso favorece o processo de aprendizagem. Com isso, trabalhamos a alimentação e a atividade física com o rumo que eles querem tomar profissionalmente”, explica Diego de Oliveira.

São quatro os pilares da eletiva “De bem com a vida”: aprender a ser, a conhecer, a conviver e a fazer. As disciplinas de Ciências da Natureza e Educação Física visam estimular os alunos a refletir, adquirir e socializar conhecimentos sobre saúde individual, coletiva e saúde pública; alimentação saudável; fatores ambientais que afetam a saúde (como poluição, radiação e drogas); doenças sexualmente transmissíveis – DST, gravidez e métodos contraceptivos; prática de atividade física e exercícios voltados à promoção da saúde; e procedimentos básicos de primeiros-socorros.

“Eu percebo que a própria postura dos alunos diante de si mesmos mudou. O interesse na prática de atividades físicas aumentou. Alguns alunos desenvolveram hábitos de higiene com maior frequência, como o simples ato de escovar sempre os dentes após o almoço, por exemplo”, afirma Diego. Na questão da aprendizagem, os alunos conseguiram enxergar a multidisciplinaridade, como o quanto de Matemática entra na Educação Física. Segundo o professor orientador, eles “enxergaram a presença de uma disciplina na outra. O aluno chega para a gente com a ideia de que as disciplinas são isoladas, e as eletivas conseguem quebrar isso, conseguem mostrar que existe a relação de um campo do conhecimento com o outro”, completa.

O objetivo é simples, possibilitar aos alunos a oportunidade de enriquecer seu próprio currículo, além de ampliar, diversificar e aprofundar conceitos, procedimentos ou temáticas de uma disciplina ou área de conhecimento. Os estudantes desenvolvem estudos de acordo com os focos de interesses relacionados aos seus Projetos de Vida e/ou da comunidade a que pertencem, favorecem a aquisição de competências específicas para a continuidade dos estudos e para a inserção e permanência no mundo do trabalho.

Kaori Adaniya tem apenas 14 anos de idade, cursa o 9º ano do Ensino Fundamental e já sabe que pretende ser psicóloga quando atingir a fase adulta, pois se sente bem com o assunto. A eletiva “De bem com a vida” abriu sua mente em relação à profissão que pretende seguir. “A gente estava falando sobre fases do corpo, e a gente comparava a pessoa normal, a obesa, a desnutrida e a com obesidade mórbida. E isso ajudou no meu projeto de vida, pois eu descobri como esses grupos de pessoas se sentem, na questão psicológica. E foi muito interessante, pois nunca passou pela minha mente que o psicológico da pessoa muda conforme o físico dela”, diz a aluna.

Seu colega de escola, Uzoma Jostin, 14, que tem nome de origem africana com o significado de “Siga o caminho certo”, pretende ser engenheiro. E Uzoma, realmente, seguiu o caminho certo ao participar da eletiva na escola Dulce Ferreira Boarin. Ele relata que a disciplina trabalhou bastante com a Matemática, por isso, aprendeu, entre outros assuntos, sobre o cálculo do índice de massa corporal. Mas, a eletiva reforçou alguns princípios familiares ensinados ao estudante.

“Antes da eletiva eu já tinha o pensamento de comer fast-food apenas uma vez por mês. Minha mãe sempre me orientou a ser mais saudável, aí eu fiz essas escolhas. E a minha mãe achou a eletiva uma iniciativa legal, interessante, e falou para eu não sair dela, pois iria aprender mais coisas sobre a adoção de práticas saudáveis e sobre o corpo humano”, conta Uzoma.

Um pouco mais nova, com apenas 13 anos de idade, Mariana dos Santos diz ainda não ter uma carreira definida a seguir, mas tem apreço pela Nutrição, que está diretamente relacionada à eletiva. “Essa eletiva me trouxe muito conhecimento sobre a vida, alimentação, sobre como lidar com meu corpo e ter uma relação saudável com ele”, afirma a aluna. Ela confessa que no começo dos estudos teve muitas dúvidas, pois pensava ser um assunto sem importância, por ainda ser criança. “Depois fui aprendendo que isso não é só relacionado à questão de engordar, mas a falta de práticas saudáveis causa muitos problemas para a saúde”, ensina Mariana.

Mariana tem pouco experiência de vida, mas fala firme sobre o que aprendeu. Além disso, faz questão de transmitir ao próximo aquilo que aprendeu. “As pessoas têm que cuidar da alimentação, ter o apoio dos pais, que é fundamental, ser dedicado e ter vontade. Muitas vezes tem a tentação dos amigos, que nos chamam para ir numa lanchonete. Até pode ir, só não pode exagerar”, confessa a pequena.

A eletiva “De bem com a vida” tem duração de 1 semestre e a avaliação dos alunos se dá de forma contínua, nas avaliações pontuais, através de debates na sala de aula, entrega e análise dos trabalhos propostos, criatividade, coletividade e cooperação, cultivo de valores positivos e reflexão crítica entre outras possibilidades. Sua finalização será feita através da exposição de trabalhos realizados pelos alunos procurando aproveitar as habilidades particulares e as desenvolvidas durante o aprendizado.