quarta-feira, 05/02/2020
Boas Práticas

Em Ibitinga, um exemplo de como as eletivas dialogam com a universidade

Evento realizado em julho de 2019 é exemplo de como o novo componente é fundamental para a aprendizagem

Nesta segunda-feira (03), todas as escolas da rede estadual passaram a ter novos componentes na grade curricular: as eletivas, o Projeto de Vida e as matérias de tecnologia. São as mudanças vindas do Inova Educação, a nova política educacional que tem como intuito melhorar a aprendizagem e promover jovens mais conscientes na rede. Em Ibitinga, uma escola já colhe os frutos da mudança.

Integrante do Ensino Integral, que serviu de inspiração para o Inova Educação, a Escola Estadual Victor Maida promove ações de envolvimento dos alunos e motivação para aproximar os jovens da universidade. Em junho do ano passado, a escola escolheu a sede da USP para promover a culminância, a reunião de projetos e ideias durante o semestre.

O foco da culminância foi mostrar tudo que os alunos refletiram e produziram no primeiro semestre de 2019 e também incentivá-los a participar de projetos de comunhão de escola e universidade. Um deles foi a Competição USP de Conhecimentos (CUCo), que teve até uma ex-aluna da unidade premiada.

“Foi uma surpresa incrível e gratificante esse convite! A Jaqueline foi aluna do período noturno de nossa escola e, mesmo com todas as dificuldades por trabalhar durante o dia e estudar a noite, se manteve firme no seu propósito de cursar a Universidade e hoje nos presenteia com essa motivação aos nossos alunos”, relata a professora Denise A. Chiconato, que idealizou juntamente à sua ex aluna essa parceria com a USP.

Hoje, Jaqueline Viana é graduanda do curso de Gerontologia da USP Leste, e após contato e planejamento com a professora, recebeu apoio do diretor Dorival Franco Junior para o desenvolvimento do “projeto de vida” na universidade. Dentro das atividades realizadas, os alunos da escola “Victor Maida” passaram a trocar cartas com os idosos de São Paulo, um contato que perdurou e irá continuar em 2020.

Além do desenvolvimento das habilidades leitora e escritora que contempla todas as áreas de conhecimento, os alunos também puderam trabalhar as competências gerais da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). “Os jovens trabalharam  conhecimentos construídos sobre o mundo, pensamento crítico e criativo, comunicação, contato com diferentes culturas, argumentação, autoconhecimento e auto cuidado, empatia e cooperação, responsabilidade e cidadania”, explica a dirigente de ensino Maristela Gallo.

O projeto virou uma eletiva, ofertada também em 2020. E a parceria com a USP continua.