terça-feira, 07/08/2018
Governo do Estado de São Paulo
Ensino Médio

#Enem2018: dicas para mandar bem na redação

As avaliações serão aplicadas nos dias 4 e 11 de novembro

Alunos que vão prestar o Enem 2018 ainda têm um bom tempo para reforçar os estudos! As avaliações serão aplicadas nos dias 4 e 11 de novembro.  No primeiro domingo, serão aplicadas as provas de Linguagens, Ciências Humanas e Redação, e no segundo domingo, os candidatos farão as provas de Matemática e Ciências da Natureza.

A redação muitas vezes é temida pelos estudantes, mas ela pode contribuir muito para a nota final do exame. Os candidatos devem escrever um texto dissertativo-argumentativo a partir de uma situação-problema (politica, social ou cultural) e ter, no máximo, 30 linhas. É necessário ter conhecimento sobre a língua portuguesa e boa interpretação de texto.

A nota da redação varia entre zero e 1.000 pontos. Existem alguns pontos que podem gerar nota zero. Fique de olho para não cometer esses erros e conquistar um bom resultado seguindo os critérios estabelecidos no regulamento do Enem:

– Fugir do tema proposto
– Não atender a proposta pedida
– Entregar a Folha de Redação sem nada escrito
– Usar parte de texto desconectada do tema proposto
– Escrever só sete linhas, qualquer que seja o conteúdo
– Usar impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação
– Fazer uma estrutura de texto diferente do tipo dissertativo-argumentativo

A redação do Enem é corrigida por dois corretores de forma independente. Cada um concede uma nota entre zero e 200 pontos para cada uma das cinco competências. A nota total é referente a soma de todas as notas.

Na escola Gentila Guizzi Pinatti, localizada em Votuporanga, alguns estudantes já foram destaques na redação do Enem e cada um cria a sua estratégia, como o aluno Agnaldo Oliveira. “As notícias dos jornais ajudam o participante a desenvolver um pensamento crítico sobre os temas e formar a própria opinião”, explica.

Já a jovem Amanda D’Auricio desenvolveu outra técnica. “Eu entendi que não precisamos escrever de forma engessada. Cada um aprende qual é o seu jeito de produzir”, explicou.