segunda-feira, 18/03/2019
Boas Práticas

Escola de Peruíbe cria ação sobre aquecimento global

Evento foi composto por palestra informativa e caminhada na praia

Os alunos do 3º ano do Ensino Fundamental na EE Portal da Juréia, em Peruíbe, tiveram um cenário diferente como sala de aula na última sexta-feira (15). A Praia do Costão foi cenário de uma atividade multidisciplinar sobre o aquecimento global, seguida por uma caminhada com faixas alertando sobre os efeitos na mudança climática do planeta.

A ação ocorreu simultaneamente com escolas do mundo inteiro, em evento organizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que indicou o dia 15 de março como “Dia da Ação Contra a Mudança Global do Clima”.

Segundo Waner Almeida Júnior, vice-diretor da Escola, o mais importante foi despertar a consciência nos alunos: “Levamos as crianças para a praia para eles vivenciarem os danos do aquecimento global e da mudança climática na prática. Queríamos que eles se perguntassem até onde o aquecimento pode chegar e que futuro eles estavam deixando para as próximas gerações”.

Durante a atividade, que durou quatro horas, os alunos se juntaram a estudantes da Escola Indígena Nhamandu Mirim e ao movimento MoCAN (Movimento Contra às Agressões à Natureza) e caminharam pela praia exibindo faixas informativas para a população.

Para o biólogo Bruno Lima, a intenção é repetir a atividade: “É a primeira vez na história em que os jovens se reúnem para solucionar esse problema”.

Proximidade com a praia estimula ações de estudo ao meio

A ação promovida pela EE Portal da Juréia ganha relevância por um motivo simples: traduz, em realidade, o que a sala de aula mostra. É o que aponta Andréia Cardoso, membro da Equipe Curricular de Geografia/Educação Ambiental (SEE/CGEB/DEGEB/CEFAF). Segundo ela, escolas próximas a regiões como mata preservada, litoral e aldeias indígenas podem realizar mais atividades assim: “Escolas no litoral têm a possibilidade de fazer o que outras escolas não têm, que é ações de estudo no meio. Isso ajuda a sensibilizar os alunos sobre o tema”.

Para Sérgio Damiati, companheiro de Andréia na Equipe Curricular de Geografia/Educação Ambiental (SEE/CGEB/DEGEB/CEFAF), a vantagem do estudo de meio é clara, mas a cadeia ambiental pode ser explorada de diversos meios: “Uma ideia para escolas é explorar como ações tomadas no Planalto podem impactar no litoral, como a geração de resíduos sólidos”, pontua.