sexta-feira, 07/12/2018
Governo do Estado de São Paulo
Ensino Fundamental

#EscolaDaFamília: atividades são oferecidas em 2.400 escolas

O programa contabiliza 9.100 voluntários e projetos realizados para a comunidade

Há 15 anos, o Programa Escola da Família promove ações que integram escola e comunidade. As unidades de ensino participantes abrem as suas portas aos finais de semana e se transformam em centros de convivência.

As atividades oferecidas nas 2.400 escolas participantes são centradas em quatro eixos: esporte, trabalho, saúde e cultura. O programa contabiliza 9.100 voluntários e projetos realizados para e com a comunidade.

“Quando a comunidade participa das atividades, ela está enriquecendo o seu repertório”, afirma a coordenadora geral do Programa Escola da Família, Carmen Lúcia Bueno Valle.

Entre as atividades oferecidas estão cursos de idiomas, mutirões de limpeza, cursos de artesanato e pintura, workshops, cursos preparatórios para o vestibular e oficinas de esportes.

Na escola Jardim dos Coqueiros, em São Carlos, alunos em situação de vulnerabilidade social utilizam animais de estimação para desenvolver a saúde emocional e física. Para o voluntário José Luiz Dorici é perceptível a mudança de comportamento dos jovens. “Os animais abrem um canal de diálogo com os jovens, e eu sou prova de que vidas foram transformadas”, explica.

A leitura é tema de uma das atividades da escola Dona Noêmia Dias Perotto. “O curso de Jornalismo me concedeu a oportunidade de trabalhar com oficinas de leitura e aperfeiçoamento da prática de escrita. Assim, eu procurava transmitir a magia dos textos para aqueles que, muitas vezes, não se atinham a eles, bem como trazer o lúdico para transformar a leitura em algo prazeroso”, explica.

Para participar do programa, os voluntários devem apresentar uma proposta de acordo com suas habilidades dentro dos quatros eixos do programa e da necessidade da comunidade. Preencher um Termo de Adesão com dados pessoais e uma breve explicação sobre as suas motivações para se tornar um voluntário. Depois, entrar em contato com uma escola participante do programa. Mais informações aqui.

“Eu acredito que existe um caminho, a gente está plantando uma semente, onde essa semente pode trazer um futuro melhor para essas crianças”, explica Felipe Freitas, pai de um aluno que foi convidado pela escola a se tornar um voluntário do programa. Atualmente ele dá aula Jiu-Jitsu.