quinta-feira, 05/11/2020
Boas Práticas

Escolas da rede estadual de Bauru fazem ações de busca ativa para combater evasão de alunos

Duas escolas de Bauru estão fazendo trabalhos de busca ativa dos alunos para combater a evasão em escolar, seguindo o movimento presente em toda a rede estadual. As atividades possuem o mesmo objetivo, o de garantir que os estudantes participem das aulas e tenham acesso ao conteúdo pedagógico. Na Escola Estadual Professor Francisco Alves Brizola, […]

Duas escolas de Bauru estão fazendo trabalhos de busca ativa dos alunos para combater a evasão em escolar, seguindo o movimento presente em toda a rede estadual. As atividades possuem o mesmo objetivo, o de garantir que os estudantes participem das aulas e tenham acesso ao conteúdo pedagógico.

Na Escola Estadual Professor Francisco Alves Brizola, os alunos do grêmio estão fazendo lives semanais para manter os estudantes conectados. A presidente do grêmio, Letícia Santos, conta que havia uma preocupação sobre a participação dos demais estudantes nas aulas e por isso eles resolveram fazer uma pesquisa sobre quais eram suas maiores dificuldades.

Nesta pesquisa foi constatado que o acúmulo de atividades não realizadas acabava desmotivando os alunos a participarem das aulas. Assim foi sugerido que os professores realizassem lives com o intuito de manter a interação que se assemelha a de uma aula convencional.

“Atualmente as lives via google meet acontecem semanalmente e tem trazido bons resultados. Uma live que os alunos gostaram bastante foi de genética, intitulada ‘Variações das Leis de Mendel’ cuja habilidade era elaborar e testar hipóteses sobre composição genética de indivíduos e sobre herança, aplicando as ideias de Mendel”, afirmou a coordenadora da escola, Marina Artioli.

Professor de matemática faz contato com quem não acompanha as aulas

Na Escola Estadual Walter Barreto Melchert, o professor de matemática Paulo Viero tem realizado as aulas mediadas por tecnologia e acompanhado quem está deixando de fazer as atividades. Para isso, o docente mantém contato com os alunos pelas redes sociais para saber se estão com dificuldades e quando necessário vai até a casa deles e empresta o próprio celular.

Em um dos casos, o professor relata que não conseguia falar com um estudante e passou a investigar algum contato e até a localizar o endereço atualizado da família. Vier conta que os alunos respondem muito bem ao trabalho que ele tem realizado.

“Alguns alunos relatam que nunca tiveram essa atenção de nenhum professor e passam a se dedicar mais às aulas. E assim seguimos no que acredito ser o caminho certo pela educação dos alunos neste momento tão excepcional”, relatou o docente.