quinta-feira, 22/10/2015
Pais e Alunos

Diretores de escolas particulares conceituadas compartilham experiências com ciclo único

Representantes de colégios de São Paulo falam das vantagens de adotar este método

O modelo de escolas com ciclo único já é utilizado em outros países e até mesmo em escolas paulistas conceituadas não pertencentes à rede estadual de ensino. A reorganização escolar, prevista para entrar em vigor no próximo ano de 2016, pretende oferecer aos jovens uma escola mais preparada para as demandas de cada etapa escolar e atenta à nova realidade de cada faixa etária.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

“No mundo inteiro, onde existe boa educação, as escolas adequam o aluno à sua faixa etária. O governo está sendo completamente atento a essa janela de oportunidade, fazendo uma reforma que já prevalece em todos os países conhecidos pela sua boa educação”, explica Mauro de Salles Aguiar, do Colégio Bandeirantes, localizado em São Paulo, que já adota o método de segmentação por faixa etária. 

A reorganização escolar vai possibilitar também a adoção de estratégias pedagógicas focada na idade e fase de aprendizado de cada aluno. “A separação na escola pública será muito importante, pois vai trazer um grande avanço na questão dos relacionamentos e do avanço pedagógico”, diz Sylvia Gouvêa, diretora da Escola Lourenço Castanho.

Entre os benefícios da medida estão a redução nos conflitos entre alunos de idades diferentes. “A questão da mistura de idades muitas vezes é inadequada e pode gerar problemas, como o bullying. As crianças ficam melhor protegidas, adequadas ao ambiente e, por outro lado, também os adolescentes, entre eles, se sentem melhor”, destaca Mauro Aguiar.

“A separação de alunos é muito importante para o relacionamento deles. Criança pequena com outra grande é problema na certa, mesmo que não seja uma briga. Pode ocorrer um confronto apenas na maneira de se movimentar. Vamos imaginar uma criança de sete anos indo para escola e aparece um jovem, de 15 anos, derrubando tudo pelo caminho”, completa Sylvia Gouvêa. 

As escolas passarão a funcionar com menos segmento e, dessa forma, terão maior foco na matriz curricular. Cada ciclo necessita de um método de estudo diferente. “As escolas de ciclo único seguem outro formato. A biblioteca dos Anos Iniciais tem livros espalhados pelo chão e crianças deitadas em almofadas. Já nas bibliotecas dos Anos Finais do Ensino Fundamental ou Ensino Médio, os livros estão localizados nas estantes e os alunos estudam em mesas”, explica Sylvia Gouvêa.

Página exclusiva para a reorganização

A Educação reuniu em uma página todas as informações sobre a reorganização da rede estadual paulista. No endereço é possível conhecer mais detalhes sobre a proposta que visa ampliar o número de escolas com ciclo único e desta forma melhorar a qualidade de ensino. Vale ressaltar que a lista de escolas que passarão a funcionar com ciclo único só será definida após reuniões entre diretorias e comunidade.

– Clique aqui e acesse a página.

Também está marcado para o dia 14 de novembro um megaencontro nas escolas de todo o Estado. O “Dia E”, como esta sendo chamada a data, será a oportunidade para a comunidade tirar as dúvidas que estão surgindo durante o processo. A expectativa da Educação é que cerca de 1 milhão de estudantes sejam beneficiados diretamente com as mudanças na rede. Saiba mais aqui.