quarta-feira, 26/06/2019
Boas Práticas

Estudantes de Química da rede criam canudos biodegradável e comestível

Estudantes de Osvaldo Cruz desenvolveram materiais a partir de rejeitos da indústria alimentícia

Agora é oficial: o canudinho de plástico está proibido no estado de São Paulo. O prefeito da Capital Paulista, Bruno Covas, sancionou nesta terça-feira (25) projeto de lei que prevê a proibição de fornecimento de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais da cidade.  Para alguns estudantes das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs), a solução para a substituição já está no gatilho.

Na Etec Amim Jundi, localizada em Osvaldo Cruz, na Região de Presidente Prudente, os estudantes Alex Vidotto, Aline Molena e Ariane Guerra terminam o curso técnico de Química neste primeiro semestre e apresentaram um trabalho de conclusão de curso (TCC) para substituir o canudinho com uma alternativa mais ecológicas para os canudinhos de plástico utilizados em grande parte dos bares e lanchonetes.

Eles produziram um polissacarídeo (substância semelhante ao açúcar) a partir de bagaços e cascas descartados da indústria alimentícia. Depois de dissolvida em suco de frutas e manipulada em laboratório, a substância ganha cor, sabor e consistência pastosa que permite a moldagem em formato cilíndrico. “Apesar de já existirem canudos biodegradáveis no mercado, durante a fase de pesquisa não encontramos nenhum comestível como o nosso”, diz Alex.

De acordo com a orientadora do TCC, ainda que o material seja descartado inadequadamente, se dissolve rápido, minimizando prejuízos ambientais. “Mesmo que a pessoa não coma o canudo depois de terminar a bebida, ele se decompõe facilmente, o que não ocorre com o similar feito de plástico”, explica a professora.

O grupo pretende dar continuidade à pesquisa após o término do curso. “Estamos satisfeitos com os resultados obtidos até aqui, considerando o tempo que tivemos para o desenvolvimento. Pretendemos aprimorar para tentar lançar o produto no mercado”, projeta Alex.