quarta-feira, 14/01/2015
Boas Práticas

Estudantes levam alegria para idosos em casa de repouso com troca de correspondências

Ação faz parte do projeto “Correspondências”, idealizado pela professora Elisangela dos Santos Meira

Os estudantes da E.E. Professora Therezinha Sartori, localizada no município de Mauá, fizeram a alegria dos idosos em 2014. Por meio do projeto “Correspondências”, que tem como proposta ensinar conceitos de cidadania além de resgatar os laços de amizade, os jovens puderam escrever cartas de incentivo para distribuir a idosos que vivem em uma casa de repouso.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

O projeto, que começou entre as salas de aula, logo ganhou o bairro, escolas de municípios vizinhos e comunidade. “O principal objetivo do projeto é trazer para o aluno a vivência de entrega, afeto e principalmente o resgate dos laços de amizade”, conta a professora de Língua Portuguesa Elisangela dos Santos Meira, idealizadora da ação.

A ação funcionou da seguinte maneira. Cada aluno escreveu uma carta para um idoso e levou até a casa de repouso Tempos Dourados, também na cidade de Mauá. Lá, eles distribuíram as correspondências para os idosos que esperavam ansiosos pela entrega.“A carta sai muito do mundo de hoje em dia. É algo que permite uma aproximação maior, por que se esforçou, trabalhou para realizar. E, quem recebe, acaba sentindo isso também”, diz a aluna Gabriela Delgado Médici.

Acostumada com a rapidez das redes sociais, Julia Gobo deixou de lado as hashtags do Twitter e publicações do Facebook para se adaptar ao estilo de escrita das correspondências. “Essa foi a primeira vez que escrevi uma carta. Escrevi o que não conseguiria falar pessoalmente. Passei meus sentimentos e emoções a eles”, revela a aluna.

Para Rita de Fátima Sola, diretora da escola, esse tipo de ação faz diferença não só na vida dos estudantes, como também na vida dos idosos que ali estão. “A partir do momento que o aluno vai até um asilo, onde ele canta uma música e escreve uma carta para um idoso, faz uma grande diferença para o próprio aluno, como também para a pessoa que está ali”, afirma.