sexta-feira, 04/08/2017
Crédito: A2img / Daniel Guimarães
Professores e Funcionários

Futebol é tema de leitura sugerida pela EFAP

Na sessão “Eu Indico” da semana seleção aborda clássicos sobre a paixão nacional

O futebol é um dos esportes mais praticados e queridos do mundo e foi o tema escolhido pela Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Professores (EFAP) como dica para a sessão “Eu indico”. Confira a seleção e aproveite o final de semana para colocar a leitura em dia! 

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

“O Drible” – Sérgio Rodrigues, Companhia das Letras: é um raro romance brasileiro que trata do universo do futebol, escrito pelo jornalista Sérgio Rodrigues, considerado um dos narradores mais habilidosos de sua geração. Desenganado pelos médicos, um cronista esportivo de 80 anos, testemunha os anos dourados do futebol brasileiro, tenta se reaproximar do filho com quem brigou há um quarto de século. Toda semana, em pescarias dominicais, Murilo Filho preenche, com saborosas histórias dos craques do passado, o abismo que o separa do filho. Entremeado com o relato principal, transcorre o livro que Murilo escreve sobre um extraordinário jogador dos anos 1960 chamado Peralvo, dotado de poderes sobrenaturais e que teria sido “maior que Pelé” se não tivesse encontrado um fim trágico.

“O Negro no Futebol Brasileiro” – Mário Filho , Editora Mauad: considerado o maior clássico sobre o futebol brasileiro, o livro terá uma edição em inglês que será distribuída entre autoridades e jornalistas durante os jogos da Copa do Mundo, como parte da campanha do governo contra o racismo nos estádios. Pioneiro em ressaltar a importância dos descendentes africanos para o esporte, foi publicado em 1947 com prefácio de Gilberto Freyre.

“O País da Bola” – Betty Milan, Editora Record: o livro mergulha na origem da paixão pela bola, retrata o Brasil através do futebol e indica o que fez do football o futebol e dos nossos jogadores figuras lendárias. Mostra que há uma relação entre a cultura popular brasileira – a cultura do brincar – e o jogo inventivo de que somos capazes. A autora lembra partidas memoráveis, jogadas impressionantes e músicas cantadas pela torcida.

“Uma História das Copas do Mundo – Futebol e Sociedade” – Airton de Farias, Editora Armazém da Cultura: dois volumes e mais de mil páginas do historiador cearense Airton de Farias, que abordam a contextualização política do mundo pré-Copa, de 1930, ano da primeira Copa, até hoje. A obra insere e relaciona o esporte mais popular do planeta na vida e na política com grandes fatos e processos históricos do final do século XIX, século XX e início do XXI.

“Como o futebol explica o mundo. Um olhar inesperado sobre a globalização” – Franklin Foer, Editora Jorge Zahar: é um trabalho de reportagem, resultado de viagens pelo mundo (da Itália ao Irã, do Brasil à Bósnia) feitas pelo autor para conhecer clubes, entrevistar jogadores, dirigentes, assistir a jogos e analisar a relação entre o futebol e a nova economia global. O livro apresenta uma vasta galeria de personagens – um hooligan inglês, filho de uma judia com um nazista, que devotou sua vida à violência; mulheres que frequentam os estádios iranianos; os cartolas do futebol brasileiro; uma torcida organizada sérvia que se transformou em brutal unidade paramilitar. O livro nos ajuda a entender a época turbulenta em que vivemos.

“Futebol ao Sol e à Sombra” – Eduardo Galeano, Editora L & PM Pocket: dizem que a ligação do escritor uruguaio Eduardo Galeano com o futebol vem desde a infância, quando sonhava em ser um jogador. No livro considerado um clássico da literatura esportiva, ele compara o futebol a uma performance teatral e uma guerra. Galeano usa prosa consagrada para falar sobre craques como Pelé, Di Stéfano, Maradona, Zizinho, Didi, Garrincha, Obdulio Varela (o carrasco uruguaio de 1950), Leônidas, e também mostra o lado mais sombrio do mundo futebolístico, com seus interesses políticos e econômicos.