quinta-feira, 21/06/2018
Ensino Fundamental

#Aluno: baixe gratuitamente game educativo e conheça pontos culturais de SP

O Instituto Proa usa tecnologia como atividade lúdica para engajar seus jovens talentos

Descubra uma ilha cultural de São Paulo, realize missões e acumule pontos que podem ser trocados. Não se trata de um site de prêmios ou apostas, mas um jogo criado por um público jovem e inovador. Alunos do Instituto Proa criaram o Proacoins, um game divertido, mas com objetivos bastante delimitados e interessantes.

A entidade, uma OSCIP criada inicialmente por empresários, deu todo o apoio para a criação e desenvolvimento do projeto. A ideia era impactar os jovens para que o futuro seja melhor – de uma forma lúdica e mais próxima da realidade dos jovens atendidos pela instituição.

As recompensas do jogo, que pode ser baixado em celulares e tablets, estão no campo da cultura e da educação, como intercâmbio, livros, tablets, computadores, cursos de idiomas, capacitação profissional, material escolar, bolsas de estudos para cursos preparatórios e ingressos para o cinema e o teatro.

Para entender um pouco melhor do jogo educativo, imagine que você está na Praça da Sé, centro de São Paulo. Por meio da realidade aumentada, você abre a “Ilha Cultural Sé” e libera as missões. Terá provas para cumprir, todas relacionadas àquele lugar. Os pontos acumulados podem ser trocados na loja do game pelos benefícios.

Mais do que algo meramente tecnológico e atualizado, o Instituto criou o game com o objetivo de propiciar experiências culturais e educacionais aos jovens, estimulá-los para que conheçam sua cidade e história, que aumentem seu repertório, além de dar acesso a oportunidades concretas de desenvolvimento educacional e ser a maior base colaborativa de conteúdos culturais e de educação. “A ideia do jogo é disseminar cultura e educação, e fazer isso através de uma base tecnológica e divertida. Ao mesmo tempo, fazer com que todo paulistano conheça mais da sua cidade”, conta Rodrigo Dip, diretor do Instituto.

A monitora de espaço cultural, Angelica Silva, contou um pouco de como funcionou este processo complexo de criação. “Eles criaram missões para a plataforma do jogo e cada um coloca seus pontos que considera interessantes, não só para um jogo de adolescentes, mas também para o que chamamos de equipamentos culturais”.

Além de pontos turísticos, as escolas públicas podem também ser ilhas culturais. Com isso, os professores de toda a rede ficam possibilitados de fazer missões que entram no game. “O aplicativo está nas nossas mãos para que a gente aprenda e se desenvolva cada dia mais. Dá para usar no trajeto para casa, para o trabalho e até para a faculdade”, conta Allana Alves, aluna do Proa desde 2017.

Os cursos profissionalizantes e de capacitação do Proa são gratuitos. “A gente tem mais possibilidades de trabalho, mais autonomia e é o que precisamos para fazer uma melhor gestão do nosso tempo para cuidar de todas as nossas atividades aqui”, conta o estudante Thiago Henrique da Silva Cordeiro, de 17 anos.