quarta-feira, 18/04/2012
Imprensa

Governo cria residência educacional para apoiar a formação de professores

Programa começa no segundo semestre em 483 escolas estaduais com a atuação de cerca de 15 mil universitários Educação investe R$ 73 milhões em nova modalidade de estágio, que inclui bolsas de R$ 425 e auxílio-transporte de R$ 180 O governador Geraldo Alckmin e o secretário da Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald, […]

Programa começa no segundo semestre em 483 escolas estaduais com a atuação de cerca de 15 mil universitários

Educação investe R$ 73 milhões em nova modalidade de estágio, que inclui bolsas de R$ 425 e auxílio-transporte de R$ 180

O governador Geraldo Alckmin e o secretário da Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald, assinaram hoje (18/04) decreto de criação do programa Residência Educacional. O objetivo da iniciativa é fortalecer, por meio de um novo modelo de estágio obrigatório, a formação de professores pelas instituições de ensino superior. Com bolsas de R$ 425 e auxílio-transporte de R$ 180, cerca de 15 mil universitários começam já no segundo semestre deste ano a estagiar em 483 escolas estaduais. O investimento previsto para essa etapa é de R$ 73,1 milhões.

“A residência educacional é fundamental para a política de Educação do Estado, que visa valorizar a carreira do professor, e, para isso, é necessário também fortalecer sua formação”, afirmou o secretário Herman Voorwald. “Valorizar os recursos humanos é um dos pilares do programa Educação – Compromisso de São Paulo, que tem como objetivos principais fazer a rede estadual de ensino alcançar níveis de excelência e tornar o magistério uma das profissões mais prestigiadas por nossos jovens.”

Com a denominação inspirada na residência médica, o programa Residência Educacional prevê a atuação dos bolsistas em escolas consideradas de maior vulnerabilidade nos aspectos socioeconômico, de infraestrutura e de aprendizagem. Em 2013, com o acréscimo R$ 56,6 milhões, serão beneficiados mais 11.480 universitários para atuar em 361 escolas. No ano seguinte, o aporte adicional de R$ 54,3 milhões incluirá mais 11.417 bolsistas presentes em 359 unidades de ensino.

A Secretaria da Educação fará em breve o chamamento público para as instituições de ensino superior interessadas em participar da Residência Educacional. O processo seletivo para estudantes candidatos ao programa será realizado pelas próprias universidades e faculdades cadastradas. Os requisitos para a seleção são: estar matriculado a partir do 3º semestre em curso de Licenciatura, que contemple as disciplinas da matriz curricular do Ensino Fundamental e Ensino Médio das escolas públicas estaduais; assiduidade e rendimento escolar satisfatório no curso de Licenciatura, atestada pelo responsável na instituição; não ser beneficiado por qualquer outro tipo de bolsa concedida pelo Poder Público estadual; ter sido selecionado pela instituição de ensino para participar do programa e ter disponibilidade para cumprir a jornada estabelecida no plano de atividades do estágio.

O universitário desenvolverá um projeto de apoio pedagógico em conjunto com o responsável por estágio na unidade escolar, articulado com o supervisor da universidade. Esse trabalho servirá como um legado que continuará a ser usado na busca pela qualidade de aprendizado na escola. A Secretaria da Educação e a instituição de ensino superior parceira da iniciativa serão responsáveis pelo acompanhamento do projeto. A duração do estágio será de 400 horas, não podendo ultrapassar sete meses.