quinta-feira, 28/06/2018
Governo do Estado de São Paulo
Ensino Médio

Jovem Senador leva alunos do Ensino Médio para dentro do Poder Legislativo do País

Escolas públicas podem participar até agosto com redações sob a orientação de professores interessados

Até 17 de agosto, escolas públicas estaduais do Ensino Médio, com estudantes de até 19 anos, podem se inscrever no Programa Jovem Senador. O projeto – que faz parte do Programa Senado Jovem Brasileiro – engloba, além de um concurso de redações, um ingresso para os estudantes conhecerem a estrutura e o funcionamento do Poder Legislativo do Brasil.

Anualmente, é proposto um tema de redação. A legislatura dos escolhidos tem duração de quatro dias e inicia-se com a posse dos jovens senadores e a eleição da Mesa. Os trabalhos são encerrados com a aprovação dos projetos e a consequente publicação no Diário do Senado Federal.

Para participar, as instituições de ensino são convidadas a promover um concurso de redação interno entre os alunos com o tema anual e enviar o melhor texto à correspondente Secretaria de Educação. A secretaria selecionará três redações para representar o estado na etapa nacional. No Senado Federal, uma comissão julgadora é formada para classificar os textos de cada uma das unidades da Federação e também o primeiro, o segundo e o terceiro colocados nacionais.

Os autores das 27 melhores redações — um por unidade da Federação — são automaticamente selecionados para vivenciar, em Brasília, o processo de discussão e elaboração das leis do país, simulando a atuação dos senadores da República. O projeto conta com a parceria do Ministério da Educação (MEC), do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e o apoio das secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal.

Marina Vivianne Carcassola foi a primeira colocada entre as redações do Estado de São Paulo em 2016. Estudante da cidade de Lorena, ela participa de um projeto de sustentabilidade onde os alunos revitalizam áreas inutilizadas do colégio, plantando jardins com materiais recicláveis. Ainda na própria escola, a Jovem Senadora de São Paulo integra outra ação chamada “Humanizar é Preciso”.

Quando o assunto é participação política dos jovens, ela se diz bastante segura. “Os jovens têm que aprender mais sobre política. A maioria das pessoas não entende a atual situação de nosso país, nem sequer como chegamos aqui. Eu acho que deveria ter uma matéria na escola que ensinasse sobre a política e a história do Brasil e fizesse com que nós, alunos, nos interessássemos, pois muitos não querem nem saber. Desta forma, os jovens teriam mais opinião própria, conseguiriam questionar e argumentar sozinhos, sem ter de seguir a opinião geral. Além disso, se os jovens estivessem mais familiarizados com a política, eles sentiriam mais vontade de participar. E as crianças aprenderiam desde pequenas sobre o seu país”.

Em 2015, foi a vez de Lana Lima Oliveira, de Jales. Quanto à vontade de atuar na política, ela é franca e diz que, até o momento de se transformar uma Jovem Senadora, nunca pensou nessa possibilidade. “A Política para mim sempre foi complexa e de difícil entendimento, porém, após ser vencedora deste Concurso, e com a oportunidade, me sentindo bem mais atraída pela ideia de futuramente atuar nesse campo”.

Sobre a participação política dos jovens, Lana acredita que eles deveriam atuar mais e melhor. “Penso que isto será possível quando a política for mais acessível, menos complicada, menos burocrática, ou seja, quando ela puder ser tratada com maior frequência dentro das escolas, nos lares, nos círculos de amizade de forma simples, natural, fundamental. O Jovem Senador contribui para com esta aproximação”.

Ágata Pereira, também de Jales, representou São Paulo em 2015. “Depois da minha participação no projeto, consegui ingressar no curso de Medicina. O Projeto Jovem Senador me trouxe muito conhecimento e crescimento pessoal. Foi imensurável o prazer em ter conhecido Brasília e todo o Poder Legislativo que essa cidade abriga. Sem falar nos amigos que fiz, conhecer uma pessoa de cada cantinho do Brasil foi muito especial. Sempre agradeço muito a oportunidade e torço para que o Projeto continue sempre, levando tantas experiências maravilhosas para os jovens do país.”

O professor Celso Silvério Belchior, um dos colaboradores do projeto, diz que a mobilização dos estudantes em relação ao Jovem Senador é gratificante. “Vejo isso como um trabalho de equipe. É mais uma prova de que, sozinhos, não conseguimos nada. É importante motivar os alunos desta faixa etária a participarem conosco”.