sexta-feira, 26/07/2013
Ensino Integral

Mais de 1,5 mil educadores de escolas de tempo integral se reúnem para planejamento

O objetivo do encontro é fortalecer o programa a fim de garantir o avanço do protagonismo juvenil

Com o objetivo de fortalecer as ações do programa, mais de 1,5 mil profissionais que atuam em unidades que oferecem o novo modelo de Escola de Tempo Integral participam, entre os dias 22 e 26 de julho, da Segunda Formação Continuada das Equipes Escolares do Programa Ensino Integral.

Atualmente, o novo modelo de escola de tempo integral está presente em 69 unidades de Ensino Médio e dos anos finais do Ensino Fundamental. Em 2014, mais 101 escolas integrarão o programa. Serão, ao todo, 170 escolas estaduais e cerca de 50 mil alunos beneficiados.

Para o secretário da educação, Herman Voorwald, é essencial que as novas unidades tenham como base o trabalho realizado nas 16 escolas que foram pioneiras na implantação do modelo. “As experiências adquiridas desde o início de 2012 servem para formação dos profissionais e para a construção pedagógica do modelo”, explica o secretário.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Por meio da formação continuada, a ação pretende garantir o avanço do protagonismo juvenil, uma das características do programa. “No primeiro encontro preparamos as equipes escolares para o ano letivo. Agora, vamos avaliar as ações desenvolvidas, as dificuldades enfrentadas e pensar no planejamento para 2013. Temos vários desafios pela frente”, afirma a coordenadora do novo modelo de Escola de Tempo Integral, Valéria Souza.

Diferenciais do novo modelo      

No novo modelo de escola de tempo integral, a jornada é de oito horas e meia no Ensino Fundamental e de nove horas e meia no Ensino Médio, incluindo três refeições diárias. A estrutura conta com salas temáticas de português, história, arte e geografia, além de salas de leitura e informática.

Na matriz curricular, os alunos contam com orientação de estudos, prática de ciências, preparação acadêmica e para o mundo do trabalho, e auxílio na elaboração de um projeto de vida, que consiste em um plano para o seu futuro. Além das disciplinas obrigatórias, os estudantes contam também com disciplinas eletivas, que são escolhidas de acordo com seu objetivo. 

Outro ponto forte do novo modelo está no sistema de trabalho oferecido para os docentes, que passam a atuar exclusivamente nas escolas de ensino integral. É um regime de dedicação plena e integral de 40 horas semanais com carga horária multidisciplinar, que promove uma maior aproximação entre professor e aluno. Para isso o docente recebe uma gratificação de 75% sobre seu salário, inclusive sobre o que foi incorporado durante sua carreira.