quarta-feira, 14/05/2014
Sociedade

Ônibus escolares auxiliam no transporte de alunos com deficiência da rede estadual

Veículos são acessíveis para tornar a viagem dos estudantes segura e confortável até a escola

É pela sinuosa Estrada da Pedra Branca que o ônibus escolar atravessa a zona rural do município de Monteiro Lobato, a 127 quilômetros da capital paulista, para buscar os alunos e levá-los até a escola. O cadeirante Mikael Geraldo de Souza, de 17 anos, estudante do Ensino Médio na E.E. Professora Maria Ferreira Sonnewend é um dos beneficiados pelo transporte escolar da Secretaria da Educação.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

A viagem de Mikael até a escola, localizada no centro da cidade, tem hora marcada. De segunda a sexta-feira, às 11h, o motorista estaciona o veículo na porta de sua residência, abaixa a rampa elevatória e prossegue para buscar outros alunos.

O ônibus é acessível e dá aos alunos com deficiência autonomia e segurança. “Sinto que sou independente porque consigo fazer tudo sozinho. Não preciso da ajuda de ninguém. Sou um passageiro como todos os outros”, diz Mikael.

O transporte também é garantido nos passeios escolares. Mikael já visitou o teatro, planetário e museus na região do Vale do Paraíba. “Gostei mais do planetário porque dá para observar as estrelas. Antes não gostava de sair. Mas agora com o ônibus fica mais fácil”.

Direito ao transporte

Segundo a resolução da Secretaria da Educação, possuem direito de acesso ao transporte escolar alunos matriculados e frequentes na rede estadual de ensino que morem em zona rural ou região com barreira física, como rodovia ou linha eletrificada, e estudem na mesma cidade que residam. Além do transporte, alunos com deficiência têm direito a um monitor para auxiliá-los ao longo do percurso.

Transporte escolar

Desde junho de 2011, a Secretaria da Educação investiu R$ 1,1 bilhão no transporte escolar. Somente em 2013, foram investidos R$ 230 milhões para a compra de 1,5 mil ônibus. São três modelos de ônibus para 14, 22 ou 54 alunos, cada veículo acomoda um cadeirante. A meta da pasta é acabar com veículos que tenham mais de 8 anos de circulação.