sexta-feira, 15/05/2015
Sociedade

Nota oficial de esclarecimento

A Secretaria da Educação do Estado lamenta que, mais uma vez, uma das seis entidades que representam o magistério tenha decidido manter uma greve isolada, que objetiva promover seu calendário de mobilizações políticas e nitidamente contaminada por interesses incompatíveis com o momento econômico atual. A manutenção da paralisação se dá mesmo após a Secretaria ter apresentado […]

A Secretaria da Educação do Estado lamenta que, mais uma vez, uma das seis entidades que representam o magistério tenha decidido manter uma greve isolada, que objetiva promover seu calendário de mobilizações políticas e nitidamente contaminada por interesses incompatíveis com o momento econômico atual. A manutenção da paralisação se dá mesmo após a Secretaria ter apresentado cinco propostas em benefício dos professores e garantido a manutenção da política de reajuste salarial, com data-base em julho. Os compromissos, que incluem ainda a extensão de benefícios como uma nova forma de contratação dos temporários e a inclusão destes docentes na rede de atendimento do Hospital do Servidor, foram reforçados e protocolados após a sétima reunião do ano realizada com a Apeoesp. Tais fatos evidenciam a incoerência do discurso dos grevistas, que deflagraram a paralisação alegando falta de diálogo e de sinalização sobre o reajuste salarial por parte do governo. Os dados oficiais mostram que, na ponta, o índice de comparecimento dos professores está em 95%, endossando que a maioria segue comprometida com o direito inquestionável que os alunos têm de aprender.