quinta-feira, 12/09/2019
Avisos de Pautas

Premiação do concurso “Escola em Quadrinhos” faz todo mundo virar criança por um dia

Com a participação de Mauricio de Sousa e do secretário Rossieli Soares, evento levou estudantes de várias escolas para o Parque da Mônica, em São Paulo

O que aconteceria se jovens da rede estadual pudessem conhecer, de perto, a Turma da Mônica, com seus personagens mais famosos, como o Cebolinha, Cascão e a própria Mônica? Ou ainda se tivessem a chance de conversar com o próprio Mauricio de Sousa? Tudo isso aconteceu nesta quinta-feira (12), na premiação do concurso “Escola em Quadrinhos”, em São Paulo.

O evento contou com a presença das três escolas premiadas nas categorias do concurso. Das 91 diretorias de ensino, 87 produziram histórias em quadrinhos em torno do tema alimentação saudável, usando personagens da Turma da Mônica e o próprio Mauricio de Sousa como pano de fundo para dar voz à imaginação. Os premiados receberam os certificados e prêmios do Instituto Mauricio de Sousa, além de ganharem o dia livre para brincar no parque temático.

A seleção dos trabalhos foi feita pela equipe da Coordenadoria Pedagógica da Educação, em conjunto com o Instituto Maurício de Souza. “O mais lindo desse concurso foi aprender, durante a seleção dos trabalhos, como se faz uma história em quadrinhos. Tivemos acesso à técnicas de narrativas, processos, tudo detalhado. E tudo isso é muito lindo de transmitir aos estudantes”, pontua Cristina Mabelini, coordenadora da EFAPE.

Teve histórias que se passaram no espaço, na cidade e até na própria escola, como a HQ “Comilândia”, da Escola Estadual Professor Alberto Salotti, na capital paulista. Numa outra história, entitulada “Uma Vida Saudável”, os estudantes da Escola Estadual José Pires Alvim, de Atibaia, simularam uma aula de Mauricio para os personagens que ele mesmo criou.

Em comum, a mobilização do concurso fez os participantes voltarem à infância. “Desde criança eu fui alfabetizada com as histórias em quadrinhos do Mauricio de Souza. Foi gratificante poder estar com os estudantes e ensiná-los e estimulá-los a usar essa riqueza de personagens para produzir uma história original”, explica Celia Ribeiro, uma das professoras orientadoras de um grupo vencedor. É o mesmo sentimento de Cristina: “Me senti emocionada vendo os trabalhos. Parecia criança de novo, criando e desenhando o mundo como via naquela época”.

À procura de novos artistas

No discurso para os premiados, o cartunista Mauricio de Sousa explicou que o objetivo da campanha, além de conscientizar os jovens da rede estadual sobre a importância da alimentação saudável e do auto-cuidado, é o de procurar novos artistas e talentos. “Aqui no Instituto, nosso papel social é dar a chance para esses jovens que têm vontade, têm talento e podem aprender a técnica. Quem sabe isso não se transforma, no futuro, numa fábrica de artistas?”, pontua o sempre carismático Mauricio.

Além da criatividade, os estudantes tiveram que desenvolver toda a história do zero: roteirização, desenho, colorização e finalização. Um processo que levou tempo, mas deixou aprendizados para quem quer entender mais sobre a profissão.

“O concurso também mostra que novas formas de aprendizagem podem estar fora da sala de aula, podem estar com o próprio estudante e sua relação com o mundo. É o que fomentamos na Educação, seja com o Inova Educação, seja com concursos como esse: jovens protagonistas, críticos e que têm capacidade para construir sua própria história ou uma história tão bonita quanto a dos premiados”, explica o secretário Rossieli Soares.