sexta-feira, 13/09/2019
Boas Práticas

Termina hoje (13) o prazo de manifestação de interesse ao programa de Ensino Integral

Educação irá promover diversas avaliações sobre a viabilidade do modelo nas escolas que manifestaram interesse

Escolas estaduais que queiram aderir ao programa de Ensino Integral têm até o dia de hoje, 13 de setembro, para comunicar a diretoria de ensino e fazer parte do programa no próximo ano. Vale lembrar que a manifestação de interesse não significa que a escola irá adotar o Ensino Integral, uma vez que a Educação irá promover diversas avaliações sobre a viabilidade do modelo.

Hoje 417 escolas da rede estadual já funcionam nesta modalidade, e a meta é ampliar a oferta do modelo educacional comprovadamente mais eficaz no Brasil para mais 100 escolas em 2020. O investimento no Ensino Integral também ajuda a cumprir às metas previstas nos Planos Nacional e Estadual de Educação que determinam que 50% das escolas devem oferecer essa modalidade de ensino até 2024 e 2026, respectivamente.

No Ensino Integral, os estudantes passam a ter uma matriz curricular diferenciada que inclui orientação de estudos, práticas experimentais, tutoria personalizada com um professor, além dos clubes juvenis, em que os alunos se auto-organizam de acordo com seus temas de interesse. A carga horária do ensino integral de até nove horas e meia – na rede regular a jornada é de cinco horas e quinze minutos.

Além disso, estudos apontam que o Ensino Integral ajuda a melhorar a aprendizagem dos alunos e aumenta a empregabilidade e renda dos egressos. “O Ensino Integral é comprovadamente a melhor forma que temos atualmente para melhorar a aprendizagem dos estudantes e aumentar as competências cognitivas e também socioemocionais. Temos que educar a sociedade para a vantagem desse modelo”, pontua Haroldo Rocha, secretário executivo da comunicação.

Outra vantagem do modelo é que ele permite que os professores atuem em regime de dedicação integral a uma escola, com mais tempo para estudo e preparação de aula. Para isso, recebem uma gratificação de 75% sobre o salário-base. “Queremos que o professor abrace e faça parte desse programa, porque é melhor também para ele. Ele se sente mais integrado com a comunidade, fazendo parte desse universo”, relata o secretário Rossieli Soares.

A expansão do Ensino Integral está prevista no Planejamento Estratégico, lançado em junho na Secretaria da Educação.