quinta-feira, 28/02/2019
Destaque

‘Visão do Futuro’ realiza exames oftalmológicos em alunos da rede

Com o objetivo de preservar a saúde ocular dos estudantes, programa oferecerá acompanhamento médico e óculos de graça

Cerca 16,7 mil estudantes matriculados no primeiro ano do Ensino Fundamental nas escolas estaduais serão beneficiados pelo “Visão do Futuro”. Nesta quinta-feira (28), a Secretaria de Estado da Educação anunciou na Escola Estadual Artur Segurado, em Campinas, a edição de 2019 do programa.

A iniciativa é feita em parceria com Secretaria de Estado da Saúde e o com o Fundo Social de São Paulo. Através da ação, professores da rede, previamente capacitados pelas Pastas, realizam testes de acuidade visual (TAV) em sala de aula autorizados pelos pais ou responsáveis.

Mutirões ocorrem simultaneamente na capital e, pela primeira vez, nas regiões de Assis, Marília, Bauru, Sorocaba, Campinas e Ribeirão Preto. No lançamento, estiveram presentes a subsecretária de Articulação Regional da Educação, Valesca Toledo, e Naide de Oliveira, coordenadora do programa, da Saúde.

“É fundamental que no início da vida escolar o aluno já tenha esse primeiro diagnóstico. Muitas vezes, a dificuldade de aprendizagem está relacionada a problemas de visão”, afirma Valesca.

Os estudantes que apresentarem alguma anormalidade no TAV serão encaminhados para hospitais de referência, em datas programadas, para consultas oftalmológicas, exames necessários e, se constatada a necessidade, escolherão as armações para a confecção dos óculos que serão encaminhados às respectivas escolas, sem custo.

“Ficamos felizes que o programa avançou e começou pela cidade de Campinas. Acreditamos que a acuidade visual é importante para o aprendizado psicossocial e pedagógico do estudante”, afirma o dirigente regional de ensino de Campinas Leste, Nivaldo Vicente.

Casos mais graves serão encaminhados para acompanhamento ambulatorial em unidades de referência do SUS (Sistema Único de Saúde) nas regiões e em hospitais universitários, como os HCs de Ribeirão Preto, Marília, Unicamp, Hospital de Base de Bauru, Conjunto Hospitalar de Sorocaba e Hospital Regional de Assis.

“É bem simples, é só fechar um olho com a mão e tentar ler o que a professora mostra. Se tiver problema no olho e não conseguir enxergar, a gente tem que usar óculos”, conta a pequena de 6 anos e aluna da Artur Segurado, Analu Isla. No total, cerca de 120 estudantes da unidade passaram pelo diagnóstico nesta quinta-feira.

Histórico do programa

Desenvolvido há 11 anos na capital, o Programa Visão do Futuro conta com participação de hospitais universitários como o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Nesse período, verificou-se que de 20% a 30% das crianças nessa faixa-etária apresentam alguma alteração visual.

“O importante é recuperar a visão dos alunos, porque depois do diagnóstico, nós também oferecemos acompanhamento médico. Além disso, esse programa tem como objetivo melhorar a questão educacional do estudante”, conta a coordenadora, Naide de Oliveira.

Desde 2009, o programa ultrapassou a marca de 1 milhão de estudantes avaliados, 66 mil pares de óculos entregues e mais de 143 mil estudantes encaminhados para consulta.