quinta-feira, 31/03/2016
A Escola Que Queremos

“O Pequeno Príncipe” ajuda na inclusão de alunos com deficiência em escola do interior

História foi contada em uma peça de teatro na E.E. Doutor Raul Venturelli, em Capão Bonito

“Eis o meu segredo. É muito simples: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos”. A frase que faz parte da história do Pequeno Príncipe, obra do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, que foi publicada em 1943 nos Estados Unidos. Terceiro livro mais vendido no mundo, com mais de 130 milhões de cópias aproximadamente, a história foi tema de uma ação para a inclusão social de estudantes com deficiência na E.E. Doutor Raul Venturelli. 

 

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Na unidade escolar da cidade de Capão Bonito, interior de São Paulo, alunos e professores se reuniram e ensaiaram, durante quatro meses, uma peça de teatro para contar a história aos pais, professores e amigos. A peça contou com a participação de alunos com deficiência auditiva e intelectual que frequentam a Sala de Recursos, bem como de estudantes dos ensinos Médio e Fundamental

“O objetivo da apresentação foi trabalhar a autoestima desses alunos e mostrar às famílias e comunidade escolar que mesmo estudantes com dificuldades acentuadas são capazes de desenvolver as habilidades de leitura e compreensão”, afirma Margarethe Ferreira Rodrigues, diretora da escola.

Presença do Secretário José Renato Nalini

Além da comunidade escolar, a peça de teatro foi prestigiada pelo secretário da Educação, José Renato Nalini, que visitou a unidade escolar em mais uma etapa do projeto #AEscolaQueQueremos, que tem como objetivo dar voz às ideias dos estudantes, para que todos possam contribuir na construção de um novo ambiente escolar, pautado principalmente nos desejos dos jovens da rede. 

“Todas as ações que a escola desenvolve visa sempre a aprendizagem e a inclusão de todos os alunos. E a visita do secretário foi gratificante, pois valorizou a equipe docente e discente. Isso nos dá força para continuarmos trabalhando em prol do aluno”, afirma a diretora.

Educação especial na rede estadual

A rede estadual de ensino paulista oferece atendimento pedagógico especializado para crianças e jovens com deficiência física, intelectual, visual, auditiva, múltipla e com Transtornos Globais do Desenvolvimento, por meio de Salas de Recursos no contraturno das atividades escolares.

O Núcleo de Apoio Pedagógico Especializado (CAPE), responsável pela implementação da política pública de atendimento aos alunos, dispõe de 15 equipes multidisciplinares descentralizadas formadas por fonoaudiólogos, psicólogos, psicopedagogos e terapeutas ocupacionais que atuam na avaliação e na orientação da equipe escolar. A Educação também oferece materiais didáticos bem como cursos para alunos com deficiência. Saiba mais aqui