terça-feira, 14/08/2018
Governo do Estado de São Paulo
Boas Práticas

Professora cria projeto multimídia para explicar variações linguísticas do Português

Em Taquarituba, alunos da E.E. Dr. José Pires de Carvalho participam do projeto ‘Fotojornalismo’

Expressões, gírias, sotaques são apenas alguns exemplos de variações linguísticas do português falado no Brasil. A grande extensão territorial e os processos imigratórios são grandes responsáveis por transformar e regionalizar o idioma em cada parte do país.

É conveniente aceitar, portanto, que não existe certo ou errado nessa multiplicidade. O que existe são diferentes maneiras de se comunicar uma mesma mensagem, seja de maneira formal ou coloquial.

“A língua portuguesa é como a roupa que usamos, depende de cada ocasião”. Essa é a explicação da professora Maria Aparecida de Andrade Okumura para seus alunos na E.E. Dr. José Pires de Carvalho, em Taquarituba.

Atualmente, a docente é responsável pelo projeto “Fotojornalismo” com jovens do primeiro ano do Ensino Médio. A ideia é fazer com eles se aproximem dessas variações em seu contexto social através do registro fotográfico. Trata-se de revelar a diversidade por meio da visão do aluno na captura da língua oral e escrita em placas, anúncios e letreiros espalhados pela cidade.

Neste ano, contudo, o projeto da professora foi mais além. Os estudantes também desenvolveram um vídeo para mostrar as variantes do idioma em todo país. Regionalismo, gírias e até estrangeirismo foram diálogos interpretados e apresentados pelos próprios alunos no material.

“Não podemos discriminar o sotaque dos outros, porque as palavras variam de região para região. O meu objetivo foi mostrar que existe muita variedade dentro do Brasil”, afirma a docente.

Segundo ela, é necessário explicar aos estudantes que não é proibido ou errado usar a linguagem coloquial, mas é importante também dominar a forma padrão da língua. “Tentei explicar que depende da situação em que eles se encontram, mostrar que não pode misturar a intimidade com o profissionalismo”, completa.

Pensando nisso, Maria também incluiu no vídeo a declamação de poemas clássicos brasileiros que retratam essas pluralidades, como Carlos Drummond de Andrade e Oswald de Andrade. A iniciativa, portanto, é complementar ao conteúdo visto em sala e, sem dúvida, uma forma de tonar o aprendizado muito mais dinâmico.

“Esse é o segundo ano do projeto e teve uma repercussão muito boa dentro da escola. Não adianta ficar só na lousa, tem que envolver o aluno e fazer com que ele se dedique”, ressalta a coordenadora do Ensino Fundamental e Médio da escola, Flávia Andrea de Almeida Carvalho.