quinta-feira, 15/03/2018
Governo do Estado de São Paulo
Notícia

Programa Adoção afetiva aproxima a sociedade das escolas da rede

Foram 212 parcerias firmadas e 1.230 escolas beneficiadas

Aproximar a sociedade das escolas públicas. Este é o principal objetivo do programa “Adoção Afetiva”, no qual empresas, instituições, entidades, ongs, associações, pessoas físicas e jurídicas têm a oportunidade de adotar uma unidade de ensino para desenvolver ações voluntárias que contribuam com o desenvolvimento educacional e na construção de ambientes de aprendizados.

Desenvolvido na gestão do Secretário da Pasta, José Renato Nalini, foram firmadas 212 parcerias beneficiando 1.230 escolas. O projeto resultou também no livro online “Adoção Afetiva – Escola e Comunidade Unidas” que relata as ações desenvolvidas nas escolas pelos parceiros e depoimentos das unidades de ensino adotadas.

Clique aqui e tenha acesso ao livro

E para comemorar a força e contribuição dos adotantes, das Diretorias de Ensino, dos professores na transformação da realidade dos jovens dentro do ambiente escolar, foi realizado um evento, na última segunda-feira (12), na sede da Educação, que reuniu todos para a entrega de certificados pelos serviços prestados à Educação e palestras sobre os projetos realizados.

Na ocasião, Nalini agradeceu os adotantes. “Quero agradecer os parceiros que acolheram esse chamamento que já produziu resultados. Vejam quanta gente boa fazendo coisas boas e nós devemos ter mais gente assim que está esperando um estímulo”, destaca.

“Eu acho que o que é importante que cada um que hoje aqui está tente disseminar essa ideia de que a escola pública merece um abraço, merece uma aproximação, merece a participação efetiva da família e da sociedade. Não há quem não possa fazer alguma coisa pela educação e não é favor, não é caridade, não é filantropia”, completa.

O assessor da Educação, Eduardo Mosna, comemora o resultado que veio do esforço de todos os envolvidos. “Foi um desafio participar desse projeto com o objetivo de tentar trazer a comunidade para dentro das escolas. É um trabalho de formiguinha que ganhou grandes parceiros importantes. E a ideia do secretário é essa, que a sociedade pode e deve entrar nas escolas e contribuir com esse grande leque que é a formação educacional”, disse.

As escolas são beneficiadas com ações que podem incluir pintura, pequenas reformas, participação das atividades sociais da escola como bazar, bingo, campanha do agasalho, quermesse, por exemplo.

Em parceria com a Diretoria Centro Oeste, o Instituto Somos contribuiu com um curso pré-vestibular para alunos do 3º ano do Ensino Médio. “No ano passado a gente fez o programa para 50 alunos e esses alunos tiveram uma melhora de 20% na nota do Enem, o que fez com que a gente tivesse aluno dessa turma que passaram na USP, na UFSCAR e ficamos sabendo de outro que passou na Unifesp”, comemora Letícia Lyle, do instituto.

Já os alunos da escola Barão de Ramalho puderam sugerir os temas que gostariam de trabalhar em parceria com o Instituto dos Advogados de São Paulo. Nós fizemos uma pesquisa entre os alunos do 9º ano e perguntamos quais os assuntos que eles queriam tratar e a nossa surpresa foi que os alunos depois de uma pesquisa acabaram elegendo três assuntos: a violência contra a mulher, a pedofilia, e o bullying. Assuntos atuais e de extrema importância em que nós resolvemos dar oportunidade a eles de desenvolvê-los”, explica Frederico Prado Lopes, diretor de Relações Institucionais.

Sobre o Programa

O programa é uma ação voluntária e não onerosa. A Secretaria de Educa­ção, por intermédio da Diretoria de Ensino, apresenta aos interessados a serem “adotantes” cinco escolas estaduais dentro de um raio de 5 km do endereço ofer­tado. O adotante seleciona uma unidade, promovendo uma aproximação inicial onde podem desenvolvidas diversas ações. Caso queira, a empresa adotante pode adotar, inclusive, todas as escolas de uma mesma diretoria de ensino.