segunda-feira, 18/03/2019
EJA - Educação de Jovens e Adultos

Programa americano que previne violência das escolas é apresentado na Educação

A iniciativa atende meninos suscetíveis a se envolverem em crimes ou serem vítimas de violência em escolas de Chicago e Boston

Dois norte-americanos representantes da ONG Youth Guidance apresentaram o programa Becoming a Man (BAM) (“Tornando-se homem” na tradução literal) na última sexta-feira (15) na sede da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. O evento foi aberto a todos os funcionários da Pasta.

O BAM é um programa de aconselhamento criado em 2001 que atende estudantes (somente meninos) mais suscetíveis a ingressarem no crime ou serem vítimas de violência. Para isso, eles são atendidos durante dois anos por meio de mentorias e encontros semanais que visam desenvolver o autoconhecimento, competências socioemocionais, respeito pelas mulheres, definição de objetivos de vida, entre outros valores.

Atualmente o BAM atende 7 mil meninos que estudam em 120 escolas de Chicago, nos Estados Unidos. Também está presente em cinco unidades da cidade de Boston. A maioria do público é negra e tem origem latina.

O programa consiste em reuniões semanais de pelo menos uma hora com espaço para conversa, dinâmicas e exercícios. A adesão é voluntária, porém os conselheiros que permanecem nas escolas têm a missão de engajar os jovens no programa.

“O BAM imita um treino, uma fraternidade, distribuímos pulseiras, camisetas, há ritos de passagem, assim como ocorre com as gangues que fazem isso, e oferecem um propósito, obviamente na direção errada”, diz TJ Jordan, especialista em currículo do BAM, que esteve em São Paulo para apresentar o projeto ao lado de Jorge Rodriguez.

Jordan reforça que o BAM é mais do que uma “lição ou uma aula.” “São dois anos de projeto que fazem com que os alunos internalizem valores que vão levar para a vida toda.”

Avaliações realizadas por um dos principais centros de estudo da área do crime, o Crime Lab da Universidade de Chicago, mostraram que depois de um ano no projeto, diminui em 50% as chances de o aluno se envolver em episódios de violência. Houve também um aumento de 19% nas taxas de conclusão do Ensino Médio.